13 de abril de 2021
  • 12:07 A vergonhosa censura imposta a Marcelo Lins quando citou da matéria do Le Monde contra a Lava Jato
  • 11:03 Eduardo diz que o pai autorizou a divulgação da conversa, mas Kajuru foi antiético
  • 10:11 Cármen Lúcia pede que STF julgue queixa contra Bolsonaro por genocídio
  • 22:34 OMS começa a perder a paciência com Bolsonaro, diz jornal francês
  • 21:15 Telefonema provoca bate-boca e amplia desgaste de Bolsonaro em Poderes

Investigado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) pela movimentação suspeita de R$ 1,2 milhão, Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL), desembolsou R$ 64,58 mil em espécie para pagar por uma cirurgia para a retirada de um câncer no cólon a que foi submetido no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Segundo reportagem do jornal O Globo, o pagamento das despesas médicas foi efetuado no dia 14 de fevereiro. Queiroz teria ficado internado no hospital entre os dias 30 de dezembro de 2018 e 8 de janeiro deste ano.

Queiroz justificou o pagamento em dinheiro vivo alegando que o montante estava guardado em sua residência para ser utilizado na amortização de um financiamento imobiliário referente a um apartamento em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

O pagamento teria sido efetuado diretamente à diretoria do hospital por Márcia Oliveira de Aguiar, mulher de Queiroz.

Segundo o advogado Paulo Klein Queiroz tem como comprovar os valores movimentados e utilizados na quitação da internação.

 

 

 

 

 

*Com informações do 247

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: