13 de maio de 2021
  • 19:12 Sem terno, sem gravata, Flávio Bolsonaro deve ter saído às pressas a mando do Planalto para travar a CPI
  • 18:29 Datafolha: Lula dispara e chega 41% e Bolsonaro 23%
  • 16:14 Áudio: Veja publica áudio que prova que Wajngarten mentiu na CPI
  • 15:40 CPI encontra primeiro crime de responsabilidade de Bolsonaro
  • 14:15 Profissionais de saúde vão a órgão da OEA por “crimes” do governo Bolsonaro

E o Brasil segue de mal a pior. Só existe a reforma da Previdência, o resto, corta, reduz, extingue, vende, entrega para os EUA. É vida que seque, enquanto puder.

Segundo deputados e líderes ouvidos em condição de anonimato, nesta semana Onyx Lorenzoni iniciou uma ronda com líderes partidários para tentar selar acordo.

Segundo membros de partidos do centrão, o governo Jair Bolsonaro fez uma nova oferta de R$ 10 milhões extras por semestre de verbas do Orçamento, em troca de apoio à reforma da Previdência.

No total, isso vai dar um acréscimo de R$ 40 milhões até 2020 na verba que os congressistas podem manejar no Orçamento.

Segundo deputados e líderes ouvidos em condição de anonimato, nesta semana o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) iniciou uma ronda com líderes partidários para tentar selar acordo.

A promessa de liberação de todo o dinheiro até 2020 visa atrair mais deputados, tendo em vista que esse é o ano das eleições municipais.

De acordo com documento obtido pela Folha, o repasse será feito direto do ministério de escolha dos parlamentares para o município, e o parlamentar apadrinhará a obra.

Congressistas confirmaram que a alocação dos recursos virá de remanejamento interno da pasta, com a atrelação política ao voto do parlamentar: ou seja, deputados que não votarem pela Previdência não poderão beneficiar as obras de seus municípios.

O valor oferecido a líderes partidários que aportarem votos de seus deputados é de R$ 80 milhões, o dobro a ser apadrinhado por deputados das bancadas.

O governo precisa de 308 dos 513 votos para a aprovação na Câmara da reforma da Previdência, prioridade legislativa de Bolsonaro em 2019.

Seguimos na torcida pra que o governo não consiga.

 

 

 

 

*Com informações da Forum

 

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. J. Cícero Costa Posted on 30 de maio de 2019 at 00:21

    Na sua campanha, Bolsonaro jurou de pés juntos que jamais “negociaria” com deputados e senadores e fez pesadas críticas contra o fisiologismo dos partidos que compõem o chamado Centrão na Câmara, prometendo solenemente aos seus eleitores que em hipótese alguma abraçaria a política do toma lá dá cá.

    Agora o mesmo bolsonaro, que tanto reclamou desse expediente, oferece R$ 10 milhões para cada parlamentar que votar pela aprovação da malfada reforma.

    Não sei se a isso chamo de cinismo, descaramento, demagogia ou estupidez !

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: