21 de setembro de 2020
  • 17:24 Vídeo – Fora Bolsonaro! O grito da jogadora de vôlei Carol Solberg após conquista de medalha
  • 15:45 Por que o Roda Viva de Vera Magalhães entrevistará FHC e não Lula?
  • 13:58 Allan dos Santos comandava reuniões com deputados golpistas do PSL e pedia ‘intervenção militar’
  • 12:29 Crivella muda o tom sobre a pandemia e diz que, ‘momento é preocupante’
  • 11:23 A inacreditável incapacidade de interpretação do livro “Macunaíma, o herói sem nenhum caráter”

Mais uma privatização anunciada, agora é a vez dos Correios. A sensação é de que, a qualquer momento, acordaremos e não haverá mais Brasil.

A venda da estatal deverá gerar prejuízos ao governo, além de inviabilizar serviços essenciais. É um alerta do presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) o General Juarez Aparecido de Paula Cunha.

Os estudos dessa privatização tiveram início no mês de abril e, na época, o presidente da ECT criticou a venda da estatal.

O General disse que poderá ficar inviável a manutenção da entrega das correspondências convencionais e que a mesma está deficitária, apesar de essencial, mas será inviabilizada se a entrega de encomendas do comércio eletrônico, por exemplo — for vendida à iniciativa privada.

“É um subsídio cruzado. Um lado compensa o outro”, Juarez Cunha. Todos os 5.570 municípios do País contam com pelo menos uma agência dos Correios. Segundo o presidente da ECT, apenas as operações em 341 dessas cidades são lucrativas. Nos 93% dos demais municípios, o serviço dá prejuízo.

Para o general Juarez, “empresa nenhuma vai querer arcar” com os custos da operação deficitária, que ficaria para o governo, acarretando gastos sem a compensação das operações.

Uma privatização a mais, uma a menos, que diferença faz? Não haverá mais Brasil mesmo.

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: