6 de julho de 2020
  • 22:49 Luis Nassif: Como se deixou a Lava Jato ir tão longe
  • 18:40 Nunca duvide da incapacidade de Guedes; o Real é a pior moeda do mundo no 1º semestre e risco Brasil dispara
  • 14:08 Vídeo: Padre, em sermão, diz que quem votou em Bolsonaro tem que se confessar por eleger bandido
  • 12:23 Wassef, advogado de Bolsonaro, desesperado, promete ‘explodir todo mundo ao vivo em rede nacional’
  • 10:59 FHC manda Bolsonaro se calar e Bolsonaro, servil a FHC, vai se calar

A zombaria que lemos dos procuradores da Lava Jato com os sentimentos de Lula na perda de Marisa, de Vavá, mas sobretudo de seu neto Arthur, é porque eles também pensam desse modo, digo, com o mesmo ódio dos três. Por isso aquela opinião geral cretina de desrespeito a Lula atingiu tão fortemente uma criança com a mesma intensidade de ódio.

Para nós, foi difícil entender o que víamos nessa atitude e, diga-se de passagem, dita harmonicamente em coro por todos que participaram da troca de mensagens revelada nesta terça-feira (27) pelo Intercept.

É impossível não perceber que, junto com o julgamento que fazem de Lula, os procuradores fazem de seu neto. Essa transferência do ódio para o menino Arthur é o que de fato mais choca, porque nas conversas não teve nem truque linguístico, ali foi desmascarado, perante a sociedade e para a luz da história, um quadro unânime de desumanidade com uma criança, movido exclusivamente por um ódio fecundo, tão cego que não separa Lula do seu neto.

Talvez seja isso que esteja por trás da indignação e repúdio tão grande da sociedade, a percepção de que, para os procuradores, uma criança, por ser neta de Lula, era tão merecedora de ódio, de repulsa, de desrespeito quanto ele.

O que desenha um quadro desse? É que, quando uma criança é associada a um determinado quadro para que ela seja penalizada, a psicopatia já tomou conta de quem cumpre essa tarefa imunda e já se entregou à condição de lixo humano.

Porque, em momento algum, os procuradores trataram o menino Arthur com clemência. Na verdade, fizeram questão de ignorar que era uma criança, tudo para satisfazer uma vingança injustificada, fruto de um ódio gratuito e cego a Lula.

Na realidade, as desculpas da procuradora Jerusa Viecili deveriam ser dirigidas à Marisa, ao Vavá, mas sobretudo ao Arthur, por terem sido as principais vítimas do ódio que exalou daquela troca repulsiva de mensagens.

 

*Por Carlos Henrique Machado Freitas

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: