22 de setembro de 2021
  • 19:25 Vídeo: Há uma grande pizza sendo preparada para livrar a cara do clã em troca da renúncia à candidatura de Bolsonaro
  • 17:22 Diretor da Prevent confirma: empresa retirava Covid da ficha de internados e colocava outra doença no lugar
  • 16:10 Como já escrito nas estrelas, Bolsonaro e Centrão preparam uma grande pizza para livrar o clã da cadeia
  • 14:02 Prevent Senior também omitiu Covid como causa da morte da mãe do Veio da Havan.
  • 12:25 Polícia Federal chega ao esquema de Ricardo Barros com medicamentos de alto custo

“A morte da menina Agatha é triste. No entanto, não se pode usar isso para prejudicar o debate sobre o Pacote Anticrime na questão da excludente de ilicitude.” (Moro).

O que, na verdade, Moro quis dizer é que, no caso do assassinato de Agatha, “Não há crime quando o agente pratica o fato”:

I – em estado de necessidade;

II – em legítima defesa;

III – em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito.

Sendo assim, Moro dá ao policial o direito de fazer o julgamento da pena de morte, num reordenamento do próprio ambiente natural e social diante de um problema de dimensões extremamente complexas. Esse “exercício legítimo” do policial dizer quem deve ou não morrer será julgado e condenado por “sua emoção”, por uma força independente à margem da lei, sem, portanto, ser considerado delito, a partir do juízo condenatório do próprio policial.

E não foi exatamente isso que provocou a assassinato na menina Ágatha de oito anos?

Como se pode observar, para piorar ainda mais, Moro editou o twitter, trocando o termo “excludente de ilicitude” para “legítima defesa”, mas manteve o agradecimento na íntegra ao Felipe Francischini que fala não em legítima defesa como Moro editou ou refez o post, mas em “excludente de ilicitude”.

Impressiona a frieza de Moro de aproveitar um post sobre o assassinato da menina Ágatha, praticado pela PM, para promover o seu projeto político anticrime que o Presidente da Câmara, Rodrigo Maia criticou, ou seja, Moro não estava lamentando a morte de uma criança de oito anos por policiais, mas sim respondendo a Rodrigo Maia na defesa de um projeto fascista onde o Estado tem direito de matar uma criança em nome de uma suposta legítima defesa.

 

*Por Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. afonso Schroeder Posted on 23 de setembro de 2019 at 08:31

    Fora Golpistas​ irresponsáveis, fascistas, ditadores agindo contra o povo são cúmplices da sangria do Brasil parcela de direita podre! Confiamos e agradecemos a INTERCEPT de Glenn Greenwald mostrando a quadrilha lamentável a inércia do (STF)? Esta comprovado que Moro e Danhaol são perseguidores das esquerdas, irresponsáveis faziam conchavos escusos e enganadores do povo descumprindo a Constituição/88, afastamento e cadeia já e o ex-presidente (Lula) liberto e anulado os indevidos processos.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: