5 de dezembro de 2020
  • 10:12 Gabinete do ódio, o ministro Moro sabia de tudo e nada fez
  • 21:44 Valor Econômico: PIB per capita deve levar dez anos para voltar ao nível do governo Dilma em 2013
  • 19:50 Youtuber bolsonarista revela acesso a bastidores no Planalto
  • 17:33 Ex-presidente do STF se diz perplexo com manobra da Corte a favor de Maia e Alcolumbre
  • 14:50 Vídeo: Precisamos falar do gabinete do ódio de Ciro Gomes

A concepção que a classe média verde e amarela tem de intervenção militar não contempla a repressão às suas “insurreições”, só as que envolvem sindicatos, movimentos sociais e partidos de esquerda.

Para eles, o que interessa é que o povo não se manifeste, somente eles, e com tratamento vip. O problema é que alguém esqueceu de avisá-los que a ditadura oprimiu todos, censurou todas as linguagens que ela achava inconveniente, suprimindo qualquer forma de liberdade, constituindo, com isso, um longo silêncio dos que eram contra e dos que apoiavam a ditadura, inclusive muitos jornais brasileiros que tiveram que ficar sob o jugo do coturno dos generais.

Nesta quarta-feira (26), eles sentiram na pele e entenderam um pouco sobre a linguagem que se fala numa ditadura, bomba, porrada, gás de pimenta e bala de borracha.

https://twitter.com/Trom_Petista/status/1176948032002240519?s=20

https://twitter.com/ivan/status/1176961120910925824?s=20

 

*Charge: Laerte

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: