2 de março de 2021
  • 22:33 Flávio compra mansão de R$ 6 milhões em Brasília e mostra que o clã não tem medo da justiça
  • 21:31 Procuradora Laura Tessler sobre Lula: “Dá pra gritar gol quando ele se ferrar?”
  • 19:17 Dilma: “Essa frase da Lava Jato de ‘fazer mijar sangue’ era dita pelos torturadores da ditadura”
  • 17:23 “Lava jato” omitiu interceptação telefônica para não favorecer defesa de Lula
  • 16:10 Dallagnol: tudo em cima do Lula!

Só faltou Janot vestir a roupa de palhaço Malaquia do Veio da Havan na promoção dos produtos de suas lojas.

A excentricidade jeca e cafona do Veio deu a ele lugar privilegiado na lista dos milionários brasileiros. Possivelmente, alguém fez a proposta a Janot de plagiar o louro José para vender seu livro e ele aceitou fazer o papel ridículo de dizer que ia matar Gilmar Mendes e, depois, suicidar.

Essas são as novas formas de escandalizar nesse país, algumas como a de Bolsonaro com o fake da facada, fugiu do lugar comum e moveu mundos e fundos, construindo uma farsa para arrancar lágrimas e votos da população.

Janot saiu da PGR e quer mostrar à indústria do livro que tem talento para vender ficção com um estilo de história mirabolante que encanta um público de classe média cada dia mais imbecilizado pela mídia.

Essa foi a intuição de Janot para sua obra de marketing, construir uma cena de terror cheia de suspense numa conversa mole infantiloide para pescar bobocas e, com isso, vender seu livro.

Nesse mundo capitalista, cada vez mais atrevido na arte de fabricar celebridades para vender bugigangas personalizadas do astro ou estrela, Janot foi para o tudo ou nada, numa espécie de gênero brasileiro da comédia bufa.

 

 

*Por Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: