29 de novembro de 2020
  • 13:18 Globo, que cresceu de braços dados com a ditadura, não aceita Lula por ter afrontado os ditadores
  • 10:23 Pelotão editorial paulista vai à luta pela hegemonia dos restos mortais do tucanistão
  • 20:40 Ibope: Na chegada, Manuela vira em Porto Alegre
  • 19:55 Há chance real de vitória de Boulos, é o que vê diretor do Datafolha
  • 18:50 Vídeo: França explode em protestos contra policiais racistas

Essa aberração chamada Weintraub não negaria os seus. O cidadão é um picareta exótico, fanfarrão. Na verdade, esse sujeito é a síntese do preconceito que começa a ser defenestrado. É um indivíduo sem caráter nenhum que, cotidianamente, ataca as pessoas e instituições que ele considera inimigas do governo fascista do qual é parte como um dos principais propagandistas, mas, junto com Moro, já está na lista dos vigaristas ligados ao clã Bolsonaro.

A Folha mostra o que é um território demarcado por uma milícia e como isso se agrava perigosamente contra a educação em diferentes frentes para consagrar, na realidade, o que corresponde de fato à identidade do governo Bolsonaro, uma organização criminosa com elementos característicos de uma máfia miliciana.

Da Folha:

A Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), órgão do Ministério da Educação, ignorou suas regras para aprovar um novo doutorado em uma universidade privada.

O órgão autorizou a abertura de pós-graduação em medicina veterinária na Unisa (Universidade de Santo Amaro), em São Paulo, apesar de a proposta ter sido alterada no meio do processo de análise, prática vetada por norma da própria Capes.

Um dos controladores da instituição, o empresário Antônio Veronezi, é ligado aos ministros Onyx Lonrezoni (Casa Civil) e Abraham Weintraub (Educação). Ele defende junto ao governo interesses do setor privado de ensino superior, apontado como prioridade pelo governo de Jair Bolsonaro.

O empresário foi recebido pelo presidente em março e teve encontros com Onyx na Casa Civil fora da agenda, como em 4 de junho. Desde abril, ele foi recebido cinco vezes pelo ministro em seu gabinete e pelo menos dez vezes por secretários do MEC.

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: