4 de agosto de 2020
  • 10:35 Porque Maia votou pelo golpe em Dilma, elogiou Temer e protege o genocida Bolsonaro
  • 20:46 O Antropofagista precisa do seu apoio
  • 19:10 Globonews entra em êxtase com a decisão de Fachin de blindar a Lava Jato
  • 17:43 Novo caso Marielle ou Adriano da Nobrega? Delegada que prendeu guru do MBL, foi baleada em casa
  • 15:49 Fachin revoga decisão de Toffoli que autorizou a PGR a acessar dados da Lava Jato.

Após o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o ministro da Economia, Paulo Guedes, fazerem referência ao Ato Institucional 5 (AI-5) em caso de radicalização da esquerda, um parlamentar da base governista diz que qualquer movimento popular que se valha de armas será “esmagado” pelo presidente Jair Bolsonaro. Um dos líderes da bancada evangélica, o deputado Lincoln Portela (PL-MG) diz que essa será reação do governo em caso de conflito armado, a exemplo do que ocorreu em países vizinhos, como Chile, Bolívia e Colômbia.

Considerado um dos mais moderados da frente parlamentar evangélica, Lincoln acredita que a situação não chegará a esse nível no Brasil. Mas adverte. “Não acredito porque vem uma força esmagadora do Bolsonaro. Ele vem com tudo se houver um movimento, que será esmagado. Reprimido totalmente. Mas eles não querem isso. Nem os sindicatos querem”, ressaltou o deputado mineiro, que está em seu sexto mandato consecutivo.

Lincoln explica que a intenção do governo não é “esmagar” manifestações pacíficas, mas aquelas que descambarem para a violência, seja com pedras, armas brancas ou de fogo. Nessa hipótese, segundo ele, entrarão em ação a Força Nacional de Segurança e, em último caso, o Exército.

“Se a motivação se for a do Chile, da Colômbia, esse tipo de mobilização que está acontecendo por aí, não se iluda, que será reprimida contundentemente. E mais, 50% da população vai apoiar, porque não quer isso para o Brasil. Os 30% que não são direita nem esquerda, mas contra o radicalismo, também vão se levantar, porque vão querer defender o patrimônio deles. Quem quer sua casa apedrejada?”

Se a esquerda puser milhões de pessoas nas ruas sem partir para a violência, não haverá repressão, pois o direito à livre manifestação de pensamento será respeitado, afirma o deputado. “O confronto é uma arte que você pode fazer no campo das ideias. A esquerda tem toda liberdade para fazer a mobilização dela pacífica, como foi o movimento ‘Passe livre’, que depois foi adulterado por infiltrações”, disse.

 

 

*Com informações do Congresso em Foco

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

3 COMMENTS

  1. Roosevelt Posted on 29 de novembro de 2019 at 11:13

    OS MOVIMENTOS E PASSEATAS DE ESQUERDA, MUNDIALMENTE, É ORGANICAMENTE PACIFICA E PACIFISTA. TENHO MAIS DE 70 ANOS , NUNCA VI UMA PASSEATA ORGANIZADA POR MOVIMENTOS DE ESQUERDA APARELHADA PARA VIOLÊNCIA E QUEBRA QUEBBRA. A NÃO SER EM CASOS DE NÍTIDA, FACILMENTE IDENTIFICÁVEL, INFILTRAÇÃO DE MEMBROS DA DIREITA.

    Reply
  2. Hedy Guerrieri Posted on 29 de novembro de 2019 at 12:32

    ah…os canalhas de sempre….

    Reply
  3. Eunice Posted on 29 de novembro de 2019 at 17:38

    Como é? Quem vai esmagar quem? Ridículos!

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: