24 de setembro de 2020
  • 22:58 O ressentimento dos racistas com ascensão dos negros, ficou escancarado na reação ao Magalu
  • 20:36 Lula discursará na ONU e FHC no Roda Viva. Cada qual no seu quadrado
  • 18:52 Ministério Público Federal pede a cabeça de Salles e quer urgência da justiça
  • 18:09 Desmatamento: Bolsonaro usa dados positivos dos governos Lula e Dilma para se defender de críticas da França
  • 16:33 Vexame do Brasil na ONU expõe judiciário ao mundo por tirar Lula da eleição para Bolsonaro ser o presidente

A disparada do preço da carne bovina após a abertura das exportações para a China aumentou o preço do frango e do porco também, usados como alternativa na mesa do brasileiro.

A alta dessas outras carnes também deve se intensificar com as festas de final de ano e seguir ao longo do primeiro semestre do ano que vem, segundo Ricardo Santin, diretor-executivo da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), que representa produtores de suínos, aves e ovos. E a expectativa do setor é que os preços não voltem ao que era visto nos açougues e supermercados no ano passado.

Enquanto o preço do boi gordo em São Paulo subiu em média 35,5% em novembro em relação a outubro, o do porco avançou 13,3% e o do frango congelado, 17,8%, de acordo com dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada) da USP.

Em alguns açougues visitados pelo UOL na capital paulista nesta semana, o preço do frango quase dobrou em menos de um mês, passando de R$ 8,90/kg para R$ 15,90. A alta da carne bovina também fez com que o governo passasse a analisar de perto o aumento do valor da ave.

A produção, porém, não vai acompanhar a alta, segundo Santin. O aumento na produção deve ser entre 1% e 2%, afirma.

“Vai ser uma pressão [no preço] bem forte agora, nos períodos de festa de fim de ano, quando as pessoas consomem mais, compram mais para seus churrascos, suas festas, mas ela continua pelo menos até a metade do ano que vem”, afirma. “Porque você não tem oferta maior que possa suprir esse aumento de exportação.”

Ainda assim, o diretor afirma que não há risco de desabastecimento desses produtos no Brasil.

Preços não devem voltar aos do ano passado

Na semana passada, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou que o preço da carne bovina não vai voltar ao nível anterior, por causa da falta de reajuste nos últimos três anos.

Ricardo Santin afirma que o mesmo vale para as carnes de frango e, principalmente, de porco. O preço da carne suína estava em baixa há mais de dois anos, reflexo da suspensão da importação pela Rússia em 2017, segundo o diretor da ABPA.

“[O preço] não volta mais [ao nível anterior], porque o custo de produção já não permite que você volte”.

“Por mais esforço que os produtores façam de aumentar a produção, eles não vão acompanhar a ânsia dos importadores”, afirma.

 

 

*Do Uol

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Afonso Schroeder Posted on 4 de dezembro de 2019 at 10:36

    Vemos a direita na tentativa de enganar os brasileiros, mas a realidade esta aí para todos verem uma desgovernança generalizada ou melhor a direita não tem tempo para praticar gestão só se preocupa com as ótimas gestões públicas das esquerdas vendo que é inevitável a volta das esquerdas em breve, o Bozó mente, engana destruindo o Brasil acorda povo brasileiro (Congresso Nacional de empresários) é cúmplice desta desgraça.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: