23 de setembro de 2020
  • 11:03 Para quem acha que a escravidão foi boa para os negros, culpar os índios pelos incêndios na Amazônia, seria fatal
  • 09:59 Depois do discurso delirante de Bolsonaro na ONU, a ressaca. Relatório prevê déficit de 861 bilhões no Orçamento
  • 22:26 Após 5 anos, Lava Jato admite o que sempre soube, palestras de Lula eram legais
  • 19:57 Bolsonaro dá vexame na ONU, dólar sobe, investidores fogem do Brasil e país perde acordos internacionais
  • 18:33 Lula: O que deveria ser o discurso do Brasil na ONU

Um Bolsonaro mais sobressaltado do que o normal hoje em entrevista, mostrou que a água está batendo na bunda.

Prevendo desastres futuros, pelo andar da carruagem, Bolsonaro faz uso da lógica dos desesperados de que a melhor defesa é o ataque. Ou seja, além de não suprimir atritos, o Presidente da República os cria e tenta usar sua gritaria como ópio para seu gado que já começa a mugir menos em sua defesa.

Então, sentindo que o entusiasmo da pastagem anda muxoxo depois das revelações de transferências de Queiroz para Flávio Bolsonaro de uma grana maciça, qualquer abordagem de um jornalista sobre o tema, melindra a realeza, porque Bolsonaro quer fazer barulho para se transformar numa caricatura de si mesmo e, com isso, mudar a direção indicada pelo próprio Queiroz de quem é o chefe geral da organização criminosa que hoje comanda o país.

Bolsonaro se comporta como um peixe pego pelo anzol, não tem como se livrar dele e, daqui por diante, fará o que faz todo peixe quando está nessa condição, debate-se, nada pra lá e pra cá numa velocidade frenética, mas encontra o drama pessoal como resposta ao que já está sacramentado.

A grande dificuldade de Bolsonaro é justamente transferir para seu filho Flávio a responsabilidade dos rolos do Queiroz. Bolsonaro já sabe que ele não engana mais ninguém. E a tendência é se tornar mais agressivo e, ficando mais agressivo, mostra-se mais nu e, estando mais nu, dobrará a aposta na agressividade até lhe sobrar apenas osso.

Essa reação que o vídeo mostra serve como termômetro de um sujeito que está entre a cruz e a caldeirinha e resolve bancar o animal selvagem para tentar alguns segundos de adiamento de “uma pica do tamanho de um cometa”, que vai lhe varar de fora a fora.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: