21 de setembro de 2020
  • 22:00 Vídeo: Flávio Bolsonaro foge de acareação com Paulo Marinho e dança em programa de Sikêra Jr
  • 19:44 TRE decide: Crivella está inelegível
  • 18:57 Lava-Jato descumpre decisão do STF e não entrega a Lula documentos de leniência da Odebrecht
  • 18:10 Bolsonaro exalta o caos para tentar esconder seu fracasso
  • 17:25 Apoie o Blog Antropofagista

Depois do entusiasmo com o fake News da Alshop (Associação dos Lojistas de Supermercados), O Globo se entusiasma, agora, com as perspectivas da construção civil: “Construção civil deve crescer 3% e gerar 150 mil postos de trabalho em 2020 ”. Imediatamente a manchete foi repercutida em 69 veículos.

Quais as indicações de crescimento, segundo O Globo?

1 – Um caso de consumidor que resolveu reformas sua casa, cobriu parte da garagem e ampliou a área de lazer.
2 – Apostas da CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção) de crescimento de 3% em 2020, com potencial de criação de 150 mil postos de trabalho formais.
3 – Declaração da coordenadora de Estudos da Construção da Fundação Getúlio Vargas (FGV), de que “há expectativa de melhora na economia de modo geral, o que tende a elevar os investimentos”.
4 – No Rio de Janeiro, por exemplo, o número de lançamentos cresceu 30,6% entre janeiro e setembro do ano passado, segundo o Índice de Atividade da Construção Imobiliária (IACI-L). Em São Paulo, no mesmo período, o índice teve expansão de 22,8%.

Vamos aos dados reais, agora, com uma visão geral do setor em relação aos últimos anos.

1 – Consumo de cimento no Brasil, comparado com o acumulado de 12 meses de janeiro de 2014. Pouco mais de 20% do consumo de 2014. Trata-se de um indicador essencial para medir o desempenho da construção civil.

2. Consumo de São Paulo, comparado com janeiro de 2014. Praticamente 20% do consumo de 2014.

3. O PIB trimestral da construção civil, levantado pelo Observatório de Construção da FIESP, mostrando o setor ainda no fundo do poço.

 

 

 

 

 

 

 

4. Sondagem da construção civil em São Paulo.

Menos contratação de empregados (indicadores abaixo de 50 indicam maioria das empresas contratando menos)

Novos empreendimentos e serviços: abaixo de novembro de 2018

Compra de insumos e matérias primas: levemente acima de novembro de 2018.

 

 

*Luis Nassif/GGN

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: