19 de setembro de 2020
  • 21:47 Começa a cair de vez a máscara de Moro, Bretas e de toda a Lava Jato
  • 18:38 PF intima Moro para depor no inquérito dos atos antidemocráticos
  • 17:39 Gilmar Mendes dá cinco dias para Bretas explicar operação contra advogados
  • 16:50 Feitiço contra o feiticeiro: Fumaça do Pantanal faz avião de Bolsonaro arremeter em MT
  • 14:20 Mike Pompeo, secretário de Estado dos EUA, vai a Roraima discutir a Venezuela

Se nesta terça (21) o Globo mostrou como moradores da Praça Seca, em Jacarepaguá, estão sendo ameaçados a pagar, não mais R$ 50, mas R$ 100 reais para a milícia, com ameaças de toda a ordem para quem não pagar, hoje chega a notícia, pelo mesmo Globo, de que a crise da qualidade da água fornecida pela Cedae, está fazendo aumentar o lucro da milícia, na Praça Seca, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Em algumas ruas da região, depósitos ligados aos paramilitares reajustaram em torno de 50% os preços da venda do galão de água de 20 litros.

Segundo os moradores, o produto que, antes, era oferecido por R$ 10 chega a ser vendido por até R$ 15 em um dos locais.

Já no interior das comunidades, como a Favela Bateau Mouche e Favela da Chacrinha , o aumento passou dos 30% .

Foi o que confirmou, nesta terça-feira, um dos moradores de uma das comunidades, que disse ter conseguido encontrar o galão por R$ 8,50.

Este é o projeto miliciano que Bolsonaro quer implantar em todo o Brasil formando um grande cartel nacional.

 

*Da redação

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: