27 de outubro de 2020
  • 16:12 STJ retira de pauta recurso de Lula contra condenação no caso triplex
  • 14:41 Vídeos: O dia em que a ratoeira fez a festa abraçando dois ratos
  • 13:46 Fachin dá 48 horas para Lava-Jato se manifestar sobre pedido de Lula
  • 10:48 “O Fachin é nosso” nega pedido de Lula para suspender julgamento
  • 00:34 Com um time de tucanos de inteligência raquítica no Roda Viva, João Santana deu uma coça

O grande Milton Santos já dizia: “o mundo é aquilo que a gente vê de onde se está”

Pois é assim que uma pessoa forjada pela indústria da cultura de massa, representada pela Globo, vê o mundo da cultura, um peido.

Incoerência? Não.

A bolsonarista Regina Duarte é o que ela pensa e pensa a arte como ela própria se vê no mundo, “um pum produzido com talco espirrando do traseiro do palhaço”.

E não sou eu que vou discordar de uma representante tão autêntica da imbecilização nacional promovida pela casa de Regina Duarte, que é a Globo, durante mais de cinco décadas, da qual ela foi uma das grandes protagonistas.

Na verdade, Regina Duarte acaba prestando um grande serviço à nação, mostrando como o monopólio midiático pode ser nefasto para uma parcela média da sociedade, já que os pobres têm uma base cultural muito mais consolidada e ricamente criativa e não sofrem um arranhão sequer desse mundo sintético imposto pela Globo nos lares brasileiros.

Não sei qual foi a intenção de Regina Duarte ao dizer essa frase infeliz, macabra, mas não deixa de ser grave, porque ela ocorre no momento em que o Brasil vive uma verdadeira epidemia de ignorância e justamente no seio da classe média, a mais letrada. E aí, temos que convocar mais uma célebre frase de Milton Santos dita há mais de duas décadas:

“O terrível é que, nesse mundo de hoje, aumenta o número de letrados e diminui o de intelectuais. Não é esse um dos dramas atuais da sociedade brasileira?”

 

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: