7 de julho de 2020
  • 21:36 Juiz não combate o crime, juiz julga. Juiz não tem ringue, juiz tem sala de audiência
  • 19:48 Bolsonaro está com sintomas da Covid-19
  • 19:24 Globonews nunca desliga: 24 horas no ar dando noticias importantes sem importância nenhuma
  • 17:38 Empresa de ex-mulher de Frederick Wassef obteve aditivos do governo Bolsonaro
  • 16:15 Vídeo: A idiota que atacou o fiscal da Vigilância Sanitária foi demitida

Com medidas simples de controle, aliadas à tecnologia de ponta, o país desenvolve uma vacina e já criou um remédio que conseguiu curar mais de 1.500 pacientes.

O primeiro-ministro Cubano Manuel Marrero Cruz, o vice primeiro-ministro Roberto Morales Ojeda e o dr. José Ángel Portal Miranda, ministro da Saúde Pública, forneceram detalhes, no programa Mesa-Redonda, sobre medidas de prevenção e controle que a população deve adotar, articulado com a administração do governo, enfrentando a ameaça do Covid-19.

Quando compareceu na segunda-feira, 9 de março, no programa de rádio e televisão Mesa-Redonda, que ofereceu uma ampla explicação da estratégia de Cuba para a prevenção e controle do novo coronavírus, que causa a doença denominada Covid-19, o primeiro-ministro Manuel Marrero Cruz deixou a garantia de que, para o confronto a esta doença, é fundamental a estrutura multissetorial e organizada do sistema nacional de saúde.

Acompanhado no comparecimento do vice-primeiro-ministro Roberto Morales Ojeda, e pelo dr. José Ángel Portal Miranda, ministro da Saúde Pública, Marrero explicou que, para lidar com sucesso com essa situação, a Ilha possui, antes de tudo, uma equipe que historicamente lidou com paixão e altruísmo em seus exercícios diários e mais uma vez testará seu rigor profissional.

Outra razão conclusiva, apontou, é que existe um povo com um caráter laborioso, disciplinado e indomável, que todos os dias é capaz de superar os grandes desafios e excessos criminais do governo dos Estados Unidos.

Essas ideias foram constantes nas reflexões dos palestrantes e, principalmente, do primeiro-ministro, que, ao definir a chave no enfrentamento desta doença, uma tarefa inevitável e urgente, afirmou: essa batalha é vencida na rua, no nível local, com o trabalho no bloco e na participação de todos.

Desse modo, enfatizou um dos aspectos de primeira magnitude repetidos nos últimos dias para enfrentar a ameaça representada pela rápida e ampla expansão internacional do Covid-19, sem subestimar a posição de vanguarda das estruturas básicas do sistema de saúde, como o consultório médico da família.

Também insistiu que «o trabalho dos delegados (vereadores) do Poder Popular é vital para alcançar uma participação ativa nessa luta em todos os cenários da vida cotidiana».

AUMENTAR A VIGILÂNCIA E O CONTROLE

Marrero Cruz fez uma breve revisão das ações realizadas até agora para aumentar a vigilância e o controle do novo coronavírus, em conformidade com as instruções do general-de-exército Raúl Castro Ruz, primeiro secretário do Comitê Central do Partido.

Significou que, atualmente, o Covid-19 já está presente em mais de cem nações, os casos relatados são mais de 109.000 e já matou mais de 3.811 pessoas no planeta.

Mencionou o trabalho e as reuniões realizadas nos últimos dias nas três regiões do país e com diferentes níveis de gestão, «exercício que permitiu o contato em primeira mão com mais de 750 pessoas de várias responsabilidades, algo que enriquece, atualiza e detalha, notavelmente, um plano que deve continuar sendo aperfeiçoado», enfatizou.

Reconheceu a importância de fornecer informações ao povo.

«É por isso que estamos aqui hoje, para oferecer a vocês o que está sendo feito pelo governo para expandir e fortalecer as medidas nas frentes que são reveladas como essenciais nesta luta».

«Com o decorrer dos dias e as experiências acumuladas, estamos mais aptos a atualizar o Plano com novos elementos e continuar a gestão do treinamento», disse o primeiro-ministro em outra parte de seu discurso, depois de informar que recentemente decidiu-se adicionar os hospitais militares, exceto o Carlos J. Finlay, às instalações já planejadas com antecedência para receber possíveis pessoas afetadas pelo Covid-19.

Destacou como um capítulo decisivo a atitude das autoridades chinesas na contenção do vírus em seu país, para impedir uma maior disseminação, e ponderou o papel dos médicos cubanos tanto no país asiático quanto em outros em que colaboram.

Reiterou que Cuba está ao lado do governo e do povo chinês e mencionou a modesta contribuição da medicina cubana através do uso do interferon alfa 2b, com resultados comprovados.

«Pedimos aos líderes que dessem total prioridade a essa batalha, sem esquecer os outros importantes que temos alcançado, apesar da escalada do bloqueio e dos fortes efeitos financeiros e de combustível».

NÃO HÁ CASOS DE COVID-19 EM CUBA

Manuel Marrero informou que até o momento a doença não foi introduzida em Cuba, nem relatamos casos diagnosticados, mas explicou que não faria mal insistir que, devido às características deste vírus, o fato de ele entrar no país seja realmente um perigo potencial.

«As possibilidades estão presentes, apesar de sermos uma nação organizada, que tomou muitas precauções e possui um forte sistema de saúde», definiu, após recomendar o cumprimento de um amplo grupo de conselhos da Organização Mundial da Saúde.

Ressaltou a importância de implementar e cumprir em todos os seus componentes com o Plano Nacional explicado e, além disso, com disciplina, vinculando ativamente todas as organizações, entidades e pessoas em geral.

O primeiro-ministro, Manuel Marrero Cruz, agradeceu à população por sua compreensão e apoio e deixou clara sua confiança no esforço conjunto do povo e do Governo.

No final, disse: «Continuaremos trabalhando e tomando todas as medidas necessárias; verificar o plano aprovado diariamente, controlá-lo, manter a população informada e tomar as decisões correspondentes em cada caso».

«Dizemos ao nosso povo que, tal como em outras batalhas, empreenderemos essa nova luta com certeza de vitória».

O QUE SAIBAMOS SOBRE O COVID-19 NUNCA SERÁ DEMAIS

Os coronavírus são uma extensa família de vírus que podem causar doenças em animais e humanos. Nas pessoas, sabe-se que vários deles causam infecções respiratórias que podem variar do resfriado comum a doenças mais graves, como a síndrome respiratória do Oriente Médio (Mers) e a síndrome respiratória aguda grave (Sras). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença do coronavírus Covid-19.

A esse respeito, o dr. José Ángel Portal Miranda, ministro da Saúde Pública, lembrou no programa de rádio-televisão Mesa-Redonda que os primeiros casos de infecção por coronavírus apareceram no início de dezembro e no dia 31 do mesmo mês, em Wuhan, na China, O governo do país asiático informou que a epidemia foi apresentada em um conglomerado de 27 pessoas com uma condição respiratória aguda e que estavam relacionadas a um mercado de animais, o que sugeria que a disseminação poderia ocorrer de animais para pessoas.

Posteriormente, a doença foi crescendo em vários pacientes que não tinham relação com o mercado, dos quais foi comprovada a hipótese de disseminação de pessoa para pessoa.

Ressaltou que os coronavírus existem desde a década de 1970 e que já haviam afetado a península arábica e a própria China em 2013.

Acrescentou que agora estamos falando de um novo coronavírus, que nada mais é do que uma nova cepa, que não havia sido encontrada antes em humanos, e é chamado sars-CoV-2, que causa a doença de Covid-19.

Photo: Estudio Revolución

Explicou que os principais sintomas desta nova doença são semelhantes aos da gripe, incluindo febre, tosse seca, cansaço ou fadiga e dificuldade em respirar, o que pode significar um agravamento da doença. Causa dor muscular, dor de garganta e diarreia.

«Cerca de 80% dos casos são assintomáticos ou apresentam formas leves da doença. Apenas 5% mostram reações mais graves», afirmou o ministro da Saúde Pública.

Segundo Portal Miranda, os idosos que sofrem desse vírus têm maior probabilidade de desenvolver um quadro sério da doença e constituem 2% dos pacientes com mais chances de morrer.

O período de incubação pode variar de um a 14 dias. Na presença de alguns dos sintomas, é importante não demorar e ir ao hospital.

COMO O COVID-19 É PROPAGADO?

O ministro da Saúde Pública disse que uma pessoa pode ser infectada pelo contato com outra infectada e que o vírus pode se espalhar através das micro-gotas do nariz ou da boca exaladas. «Essas pequenas gotas podem ser depositadas em uma superfície e o sars-CoV-2 é espalhado assim».

Indicou que o vírus pode viver de horas a dias, dependendo das condições de temperatura; daí a importância das medidas de desinfecção.

Portal Miranda reiterou que, de acordo com os relatórios mais recentes, mais de cem países (incluindo a China) têm presença da doença. «A mídia fala em 3.811 mortos, com uma letalidade de 3,47% em cada cem pessoas».

Insistiu que é real que o vírus possa ser introduzido em nosso país, a partir do contexto internacional.

Para apoiar o exposto, indicou que 45,4% dos países do mundo relataram casos confirmados. «Fora da China, em pelo menos 99 países, há transmissão da doença».

Explicou que países como a Coreia do Sul e Itália fazem a diferença, com uma situação complexa, tal como Irã, Japão, França e os Estados Unidos. «Na região das Américas existem 12 países e três territórios ultramarinos da França afetados».

O ministro da Saúde chamou a atenção para a situação de países como os EUA, com 554 casos e 21 mortes; Canadá, com 62 casos; Brasil, com 25; Equador, com 14; Argentina, com 12; Chile, com dez; México e Peru, com sete; Costa Rica, com cinco, e Colômbia, Paraguai e República Dominicana, com um caso, respectivamente.

COMO SE PROTEGER E REDUZIR O RISCO?

O dr. José Ángel Portal lembrou a importância de lavar as mãos com frequência usando água e sabão, esfregando-as bem para remover qualquer sujeira ou vestígio do vírus, que também é suscetível a soluções alcoólicas e hipoclorito de sódio a 0,1%.

Há um grupo de medidas para disponibilizar esses produtos à população, embora exista um nível de oferta na rede comercial. Após a lavagem das mãos, use também géis hidroalcoólicos para desinfecção, que para superfícies devem ter uma maior concentração de hipoclorito, a 0,5%.

Outra medida é cobrir a boca e o nariz com um lenço ou com o cotovelo quando tossir ou espirrar, algo eficaz para impedir a transmissão do vírus. Existe o risco de uma pessoa infectada não apresentar sintomas — sempre existe uma porcentagem desses casos — e transmitir a doença», afirmou Portal Miranda.

OUTRAS DICAS

«Evite tocar o nariz, a boca, os olhos — reconhecidos como a porta de entrada principal; mantenha distância de quem tosse ou espirra; dirija-se imediatamente aos serviços de saúde para receber um diagnóstico e não confie que é outro resfriado; manter-se isolado, usar utensílios e talheres e pratos diferentes são outras medidas para evitar o contágio. Você também pode usar protetores bucais dentro de casa para não adoecer nossas famílias», aconselhou o ministro da Saúde Pública.

Photo: Estudio Revolución

Indicou o uso de máscaras ou protetores bucais apenas nos casos em que esteja doente com gripe ou naqueles que cuidam dos doentes. Não se trata de usar uma máscara o tempo todo, máscaras mal utilizadas podem ser transmissoras.

Também recomendou não se automedicar, porque os antibióticos não são eficazes contra vírus, eles são usados ​​apenas quando há uma complicação e apenas sob prescrição médica.

Referiu-se à importância de evitar aglomerações antes de qualquer sintoma respiratório e, se estiver viajando para o exterior, aconselhou que ao retornar se apresente ao médico para estabelecer uma vigilância de 14 dias em sua casa (principalmente se houver sintomas respiratórios). O ministro também disse que deve se manter informado pela mídia nacional.

Portal Miranda enfatizou que é essencial garantir disciplina no cumprimento das medidas sanitárias ditadas, respeitando sempre a admissão e o isolamento hospitalar nos casos de contato e suspeitos da doença.

UM SISTEMA DE SAÚDE ALERTA E PREPARADO

O ministro da Saúde Pública explicou que, dada a situação atual, as medidas nos pontos de entrada no território nacional foram extremas. «Embora, às vezes, as pessoas não gostem, existem scanners que verificam constantemente a temperatura dos viajantes».

Explicou que esse controle foi reforçado em marinas, portos e aeroportos, em particular sobre os visitantes de países que apresentam casos de coronavírus, disse, acrescentando que a qualidade desses processos foi verificada no país.

«Cuba tem uma experiência nesse processo que foi posta em prática, por exemplo, quando o Ebola», afirmou.

«Dado esse tipo de situação, uma questão fundamental é a preparação daqueles que trabalham nos pontos de entrada no país, bem como os meios de proteção que devem usar».

Depois, referiu-se ao trabalho sistemático com as Alfândegas e a Diretoria de Imigração e Estrangeiros para conhecer com antecedência as pessoas que viajam para Cuba de países infectados pelo novo coronavírus.

Entre os controles nos pontos de entrada está um documento, no qual o visitante declara seu estado de saúde. Explicou que também foi preparada uma lista de viajantes que é enviada a todos os territórios com dados de interesse, como o país de origem e o local onde o visitante ficará durante a estadia em Cuba.

Portal Miranda disse que em Cuba se sabe diariamente quantas consultas respiratórias são oferecidas. Anualmente, são feitos mais de cinco milhões no país e, nos últimos dois anos, houve uma diminuição de pessoas com esses quadros.

«Em Cuba há capacidade de diagnóstico. Temos o Instituto de Medicina Tropical Pedro Kourí (ipk), que diagnostica mais de 17 vírus, além deste novo coronavírus. Este procedimento, a partir desta semana, também poderá ser realizado em Villa Clara e Santiago de Cuba. Todos os casos que investigamos foram negativos.

«Até agora não temos casos diagnosticados. No entanto, o risco está presente, precisamos continuar nos preparando», insistiu.

Explicou como os serviços médicos foram organizados para prevenção e tratamento. «As pessoas com sintomas respiratórios não confiam em si mesmas, vão aos serviços de saúde. São nossos médicos e em nossos consultórios onde há a preparação para definir qual é o comportamento a seguir diante de um quadro respiratório», ressaltou.

«Temos desenvolvido todo um processo de preparação da equipe que permite que cada paciente seja avaliado e adote o comportamento apropriado. Está descrito o fluxo, a partir da fronteira, de um pronto-socorro de uma policlínica, qual o caminho a seguir se alguém tiver sintomas ou não da doença».

MAIS DE 3.100 CAMAS DISPONÍVEIS EM TODO O PAÍS PARA ENFRENTAR O COVID-19

Portal Miranda informou que os centros e hospitais que serão utilizados em cada um dos territórios foram definidos para o isolamento e tratamento de casos suspeitos ou confirmados da doença. «Falou-se anteriormente dos hospitais militares, mas há outros centros que, nesses diferentes territórios, poderão atender a esses pacientes», afirmou.

«Também existem médicos e instituições qualificadas para vigilância em cada um dos territórios», disse.

O ministro destacou que, na ordem dos recursos, existe uma primeira etapa com mais de 3.100 leitos em todo o país para o tratamento desta doença, e pode ser aumentada de acordo com o comportamento da transmissão, caso sejam detectados casos de Covid-19. Também estão disponíveis mais de cem leitos os cuidados intensivos.

«Acreditamos que estamos em condições nesse nível para poder atender aos pacientes nas instituições escolhidas», afirmou.

Acrescentou que, nos prontos-socorros haverá uma consulta especializada apenas para a atenção às imagens respiratórias, com as condições adequadas para isso.

Ressaltou que os protocolos foram desenvolvidos por um grupo de especialistas em tratamento de doenças respiratórias e pacientes graves, e que foi decidido não desmontar esse grupo de especialistas, porque todos os dias são recebidas informações sobre essa doença.

«Outra questão que foi incorporada», explicou, e que é voltada para o setor de saúde, é a visão diferente das instituições sociais, por exemplo, asilos, centros médicos psicopedagógicos ou aqueles que cuidam de pessoas que vagam, lares maternos e outros, onde existem grupos vulneráveis ​​que exigem atenção diferenciada».

Em relação às atividades públicas, o ministro da Saúde comentou que uma análise técnica será alcançada quando considerado apropriado.

MEDICAMENTOS

Sobre a situação da medicação, Portal Miranda afirmou que o Estado apoia financeiramente os recursos necessários para o enfrentamento desta doença.

«Temos adquirido outros recursos essenciais para estarmos preparados e responder a uma grande epidemia, e não apenas medicamentos, mas também material descartável, meios de proteção, equipamentos de cuidados intensivos, peças de reposição, que nos colocam em uma posição melhor para enfrentar a situação».

«Também levamos em conta a criação de um grupo de especialistas vinculados aos centros de pesquisa do país, que estão trabalhando em como contribuir, não apenas para Cuba, mas para o resto dos países afetados, com novos produtos para tratar o Covid-19», disse.

Argumentou que o grupo BioCubaFarma trabalha no projeto de desenvolvimento de um antiviral cubano, o cigb 210, bem como de um candidato a vacina para submetê-lo à consideração da China, além de faixas rápidas para o diagnóstico da doença.

FORMAÇÃO

«Hoje estamos na segunda etapa da preparação, que abrange não apenas os parceiros de saúde, mas também outras organizações com alta influência nesse sistema, como turismo, transporte, fronteira e trabalhadores independentes».

Disse que é um processo que será escalonado e certificado. «Já são feitos materiais digitais e impressos, além de cursos de treinamento em vídeo, que podem ser replicados em diferentes locais. As universidades de Ciências Médicas serão os diretores da atividade», afirmou.

O ministro expressou que os estudantes também estão recebendo preparação. Da mesma forma, os colaboradores foram selecionados em todas as missões como facilitadores de informações sobre a doença.

«Existe um sistema de videoconferência para apoiar a preparação e manter informações atualizadas sobre a situação em cada país em que temos colaboradores. Não há um único colaborador afetado com esse novo coronavírus», afirmou.

TODOS OS ORGANISMOS TÊM RESPONSABILIDADE

Portal Miranda disse que o Plano Nacional aprovado pelo Conselho de Ministros e dirigido pela mais alta autoridade do país, integra não apenas o sistema de Saúde Pública, mas todas as agências.

«Enquanto alguns têm participação mais direta, existem medidas que envolvem todos».

Acrescentou que o ministério da Educação empreendeu ações com as famílias dos estudantes e planeja, com a colaboração de todos, alcançar a disponibilidade dos meios de limpeza. «As agências precisam exigir os meios de desinfecção, porque quando um caso aparece, não se trata de fechar escolas ou hotéis, mas de manter essas medidas e continuar funcionando de acordo com o comportamento da doença. A proteção dos trabalhadores expostos também é de responsabilidade das organizações e daqueles que podem estar viajando».

Entre as organizações com funções fundamentais, mencionou os ministérios das Relações Exteriores, Comércio Exterior e o Investimento Estrangeiro, Turismo, Cultura, Forças Armadas Revolucionárias e do Interior, bem como a Alfândega da República e o Instituto Cubano de Rádio e Televisão.

Portal Miranda informou que o Ministério do Trabalho e Previdência Social trabalha em um decreto-lei para o tratamento salarial de pacientes em potencial.

Indicou que também é importante o papel de organizações como a Federação das Mulheres Cubanas, os Comitês de Defesa da Revolução, a Central dos Trabalhadores de Cuba e a Associação de Combatentes da Revolução Cubana, que têm uma participação destacada nesta estratégia.

MANTER-SE INFORMADO

«Outro componente é o plano de comunicação voltado para o nosso povo», afirmou o ministro da Saúde.

Um cenário foi planejado antes da entrada do vírus e outro após o primeiro caso, por isso Portal Miranda ratificou a importância de seguir informações atualizadas e confiáveis.

«Existem canais oficiais definidos, como o site da Presidência, o site do ministério da Saúde Pública, o site Infomed, o sistema de mídia nacional e territorial e o sistema das agências da Administração Central do Estado. Precisamos garantir que todas essas mídias tenham informações atuais e sistemáticas», afirmou.

Ressaltou que o portal Infomed, um site de fácil acesso, possui um espaço dedicado ao Covid-19, que se baseia em fontes oficiais como a Organização Mundial da Saúde e reúne informações sobre o vírus, indicações do Minsap, conteúdo para profissionais e viajantes e para o público em geral, além de reunir perguntas e respostas frequentes sobre o novo coronavírus, entre outros dados.

«Também criamos e teve grande impacto um APK, disponível para download em telefones celulares no site apklis.cu. Embora inicialmente pensemos em nossos profissionais, já o tem a população e possui informações úteis para prevenção», afirmou.

O ministro disse que um endereço de e-mail está habilitado: [email protected], disponível para fazer perguntas e esclarecer dúvidas. «Sabemos que existem muitos», reconheceu.

UM PLANO NACIONAL DINÂMICO E ATUALIZADO

Por sua parte, o vice-primeiro-ministro Roberto Morales Ojeda detalhou as ações prioritárias para enfrentar o Covid-19.

«Devemos deixar bem claro que esta doença constitui um perigo para o nosso país, daí o pedido do general-de-exército Raúl Castro para aprofundar e expandir o plano que havia sido aprovado inicialmente, para que a Ilha possa estar em melhores condições para evitar, na medida do possível, a introdução da doença e minimizar seu impacto na população».

O vice-primeiro-ministro sublinhou que é um plano que não é estático, mas dinâmico, pois continuará sendo sistematicamente atualizado, incluindo sua aplicação em cada um dos territórios, da província aos conselhos populares.

«O verdadeiro sucesso deste plano será que nosso pessoal faça o que é seu, para agir em correspondência com o design. Temos que levar as pessoas a participarem do autocuidado e de suas famílias».

Morales Ojeda disse que o componente de comunicação é decisivo, «sem gerar alarmes, porque, como afirmado, nenhum caso foi diagnosticado no país. Nem mesmo colaboradores cubanos de outras nações foram confirmados com a patologia».

Disse que um dos elementos do plano de comunicação é o desenvolvimento de audiências em saúde, em conjunto com organizações de massa e estruturas e constituintes do governo, com a condução de especialistas em Saúde Pública. Essas audiências não estarão apenas no nível da comunidade, mas serão desenvolvidas em locais de trabalho e educativos.

ACESSO POPULACIONAL A PRODUTOS PARA PROTEÇÃO

Quanto aos protetores bucais, Morales Ojeda explicou que atualmente não há oferta estável dos diferentes fornecedores, pois é um fenômeno global e há falta desses meios. Mesmo se houvesse disponibilidade, o número de protetores descartáveis ​​necessários devido à situação econômica do país não poderia ser importado.

Disse que um material foi desenvolvido para alcançar a produção familiar e individual desses elementos de proteção e também para preparar a população para o processo de desinfecção.

«O plano por si só não resolve o problema. O cumprimento estrito de cada uma de suas medidas deve ser garantido, para que a disciplina e a verificação sistemática sejam essenciais para todas as estruturas em diferentes níveis, para que o que foi projetado tenha um impacto», concluiu.

 

*Matéria originalmente publicada no Granma

*Foto destaque: Foto: Ariel Cecilio Lemus

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: