28 de janeiro de 2021
  • 21:57 Marinha pagou R$ 533 em lata de chantilly e gastou R$ 128 mil em paçoca
  • 18:55 Bolsonaro, sobre o leite condensado, repete a tática contra jornalistas que usou no caso do depósito de R$ 89 mil de Queiroz para Michelle
  • 17:15 Vídeo: Em claro desespero com o escândalo do leite condensado, Bolsonaro manda imprensa para a puta que pariu
  • 16:13 Em ÁUDIO, empresa nega venda de leite condensado na proporção indicada pelo governo Bolsonaro
  • 15:03 Desesperado, Bolsonaro apela para que caminhoneiros não façam greve na próxima semana

Paulo Guedes anuncia recursos que já estavam previstos antes do vírus como se fosse algo novo. Todos para salvar bancos e empresas, mas não gente.

Guedes ainda diz que o governo tenta mostrar que Brasil ‘está atento’ ao coronavírus.

O Banco Central já tinha anunciado a redução da alíquota de recolhimento compulsório sobre recursos a prazo e a redução da parcela dos recolhimentos compulsórios considerados no Indicador de Liquidez de Curto Prazo dos bancos.

As medidas podem trazer uma injeção de R$ 135 bilhões.

Sim, mas e os pobres que estão nas ruas, nas favelas e nos rincões do Brasil?

Com o avanço do coronavírus no Brasil e de medidas de limitação de circulação de pessoas, Guedes adotou outras ações para gerar liquidez, como antecipação do 13° de aposentados e pensionistas, redirecionamento do PIS/Pasep para o FGTS, abono salarial, entre outros.

Mas o que tem de plano para os trabalhadores precarizados que não podem parar de trabalhar, mesmo estando infectados?

Se eles param, nem uma alimentação precária eles e seus familiares terão.

Bolsonaro ainda diz que essas medidas buscam satisfazer o “atendimento aos mais vulneráveis, à manutenção de empregos, reforços na saúde” como se o país não tivesse voltado ao mapa da fome e da miséria.

Ao redor do globo, bancos privados e governos anunciam medidas bilionárias para injetar dinheiro na economia e atenuar os efeitos da pandemia, mas a miséria segue intocável como se, diante de um vírus que não escolhe suas vítimas, isso fosse fazer alguma diferença, mas é isso que Guedes usa como cartilha anti-coronavírus.

Todos os recursos que forem necessários para dar suporte à população das camadas mais pobres, têm que ser direcionados.

Mas esse é um assunto que nem Bolsonaro e, muito menos Guedes comentam.

Ou seja, no discurso de Guedes o que é central é o mercado, não o homem.

Então o governo privilegia uma parcela da sociedade que pode afetar os interesses do mercado, e desconsidera uma massa da população que vive em total venerabilidade, pois não interessa ao mercado que ela seja salva, porque o mercado deve achar que o vírus é institucionalizado e respeita as regras sociais ditadas pelos donos do dinheiro grosso, o que não é real. Todos no Brasil serão afetados.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: