23 de setembro de 2020
  • 09:59 Depois do discurso delirante de Bolsonaro na ONU, a ressaca. Relatório prevê déficit de 861 bilhões no Orçamento
  • 22:26 Após 5 anos, Lava Jato admite o que sempre soube, palestras de Lula eram legais
  • 19:57 Bolsonaro dá vexame na ONU, dólar sobe, investidores fogem do Brasil e país perde acordos internacionais
  • 18:33 Lula: O que deveria ser o discurso do Brasil na ONU
  • 17:51 Bolsonaro precisa decidir se o Brasil é cristofóbico ou é cristão conservador, os dois não dá

Em pronunciamento na noite de terça, presidente havia mudado o tom de seu discurso, porém, em menos de 12 horas volta a criar clima de terror e ataca governadores.

Não durou nem 12 horas o recuo de Jair Bolsonaro, que usou tom ameno em seu pronunciamento na noite desta terça-feira (31).

Às 7h35 desta quarta-feira, o presidente foi às redes sociais e criou um clima de terror ao divulgar um vídeo em que um apoiador diz estar na Ceasa de Belo Horizonte, em Minas Gerais, e aponta risco de desabastecimento, culpando governadores.

Depois de criticar em sua última aparição em TV gestores locais pelas medidas de isolamento social, além de culpar a mídia por espalhar pânico na população, ele pregou nesta terça-feira (31) a junção de esforços.

“Agradeço e reafirmo a importância da colaboração e a necessária união de todos num grande pacto pela preservação da vida e dos empregos: Parlamento, Judiciário, governadores, prefeitos e sociedade”, declarou.

Se em outras ocasiões comparou a doença a uma gripezinha e a um resfriadinho, Bolsonaro desta vez disse que o país enfrenta um grande inimigo. “Estamos diante do maior desafio da nossa geração. Minha preocupação sempre foi salvar vidas.”

“Fome também mata. Fome, desemprego, caos também matam. E pra você que está com a continha no banco, que tem dinheiro no banco, que acha que está tudo bem porque você tem reserva financeira, não esqueça: quem não tem dinheiro passa fome, mas quem tem dinheiro e não tem o que comprar, também passa fome”, diz o rapaz, ressaltando que: “E não vamos esquecer, não. A culpa disso aqui é dos governadores, porque o presidente da República tá brigando incessantemente para que haja uma paralisação responsável, não paralisar todos os setores, quem não é do grupo de risco voltar a trabalhar…”, diz o homem, que faz elogios a Bolsonaro e ataca governadores.

“Não é um desentendimento entre o Presidente e ALGUNS governadores e ALGUNS prefeitos. São fatos e realidades que devem ser mostradas. Depois da destruição não interessa mostrar culpados”, escreveu Bolsonaro ao compartilhar o vídeo.

– Não é um desentendimento entre o Presidente e ALGUNS governadores e ALGUNS prefeitos..- São fatos e realidades que devem ser mostradas.- Depois da destruição não interessa mostrar culpados.

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Wednesday, April 1, 2020

 

 

 

*Com informações da Folha/Forum

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. schabibhany Posted on 1 de abril de 2020 at 12:01

    “Não tô nem aí, não tô nem aí…” Como um político corumbaense da década de 1980, que fazia questão de bradar aos quatro ventos que seus votos já tinham sido previamente bem pagos, e, portanto, nada de reivindicações ou reclamações de seus eleitores porque seu mandato já estava quitado. É dessa maneira que se comporta o “m…dito”, que seu rebanho prefere chamar de “mito”, e sem qualquer compromisso ético ou solidariedade vai “ca…ando e andando”, louco (nos dois sentidos) para ver concretizada a sua (toc, toc, toc!) “profecia” de ter atingida, segundo ele, a marca dos “trinta mil mortos” que a sua “redentora” (que neste 1º de abril fez 56 anos de seu nefasto golpe) ficou devendo para os seus idolatras.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: