21 de janeiro de 2021
  • 10:57 Chanceler venezuelano ironiza Bolsonaro sobre falta de oxigênio
  • 10:04 Bolsonaro conseguiu na mesma semana ser retaliado pela China, índia e EUA
  • 09:18 Bolsonaro é eleito prioridade pelo governo Biden no quesito retaliação
  • 21:29 Sem insumos, produção de CoronaVac no Butantan está parada desde domingo
  • 19:24 Dra. Margareth Dalcolmo, da Fiocruz, chora e diz que falta de vacinas é ‘absoluta incompetência’ do governo Bolsonaro

Francisco Celso Calmon

Assessorado por fedelhos da atual política, o miliciano presidente persevera em seu objetivo porra-louca de provocar uma guerra civil no país.

Coerente com o seu passado terrorista o ex-capitão e atual presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, pregou a sublevação de civis e militares contra a Carta Magna do Brasil.

Em total desrespeito à dignidade do cargo que ocupa, o chefe do Executivo se insurge contra os demais poderes da República e em cima de um palanque agita seus seguidores a pugnar por uma ditadura e um novo AI-5.

Assessorado por fedelhos da atual política, o miliciano presidente persevera em seu objetivo porra-louca de provocar uma guerra civil no país.

Com as feridas ainda abertas do passado ditatorial, o chefe do Executivo prega pelo ressurgimento de uma quadra história que infelicitou a nação, deixando em seu rastro assassinatos, desaparecimentos forçados, torturas, corrupções, enfim, a barbárie do terrorismo de Estado, que foi implementada a parti do AI-5.

O atual presidente é o mesmo que quando tenente do Exército ameaçou explodir os gasodutos, é o mesmo que declarou ser a favor da tortura, é o mesmo defensor da ditadura, cujo erro, segundo ele, foi não ter matado uns 30 mil brasileiros.

A geração que combateu à ditadura militar sente-se novamente ameaçada e perseguida pelo arbítrio e pela pregação bolsonarista do extermínio sanitário dos idosos. Mas nada nos intimidará, reagimos no presente, como fizemos no passado.

À semelhança do “cabo” Anselmo, o “capitão” Jair prega a desarmonia entres os poderes republicanos, a quebra de hierarquia e atenta contra a democracia, um e outro são traidores da pátria e da democracia.

A história ensina, resta aos democratas e as instituições sadias aplicarem as lições impedindo que o sociopata continue a destruir o Brasil.

Pela democracia, pela vida, Fora Bolsonaro, já!

Francisco Celso Calmon, coordenador do Fórum Memória, Verdade e Justiça do ES e ex-coordenador nacional da RBMVJ.

 

*Do GGN

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: