23 de setembro de 2020
  • 13:48 Com Bolsonaro chocando a comunidade internacional, ONU vê desfile de charlatães, ilusionistas e farsantes
  • 13:25 Lula foi convidado pela ONU para discursar e diminuir a vergonha que o Brasil passou com Bolsonaro
  • 12:18 Mundo quer distância do Brasil de Bolsonaro. Fuga de dólares e investidores internacionais é recorde
  • 11:03 Para quem acha que a escravidão foi boa para os negros, culpar os índios pelos incêndios na Amazônia, seria fatal
  • 09:59 Depois do discurso delirante de Bolsonaro na ONU, a ressaca. Relatório prevê déficit de 861 bilhões no Orçamento
O ministro da Saúde, Nelson Teich, dava uma coletiva quando soube pela imprensa que Bolsonaro tirou da cartola a decisão de liberar para abertura academias de ginástica, salões de beleza e barbearias, com a justificativa de que são serviços essenciais.
 
Constrangido, o ministro pede para o jornalista repetir o que Bolsonaro tinha liberado a partir de sua veneta.
 
A entrevista acontecia no momento em que o decreto de Bolsonaro era publicado no Diário Oficial da União.
 
Ou seja, Bolsonaro atropelou o ministro da saúde e, junto, seu ministério fazendo parecer que ele, Bolsonaro era o próprio ministério da Saúde mostrando a esculhambação que é seu governo.
 
O ministro ainda pergunta: “Saiu hoje?”, referindo-se à publicação, aparentando desconforto natural diante de uma atitude tosca de um sujeito como Bolsonaro que não tem a mínima responsabilidade e compromisso com a liturgia do cargo.
 
Na sequência, consultou seu secretário-executivo, o general Eduardo Pazuello e, em seguida, minimizou o fato de não ter sido consultado dizendo que a pasta não opinará sobre a inclusão das áreas como atividades essenciais.
 
“O que eu acredito é que qualquer decisão que envolva a definição como essencial ou não, ela passa pela capacidade de fazer isso de uma forma que proteja as pessoas. Mas só pra deixar claro: é uma decisão do ministério da economia, não é nossa”, afirmou Teich
 
Seja como for, os governadores devem ignorar o decreto de Bolsonaro, assim  como ele ignorou seu ministro da saúde.
*Carlos Henrique Machado Freitas
Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Hilton Ferreira Magalhães Posted on 12 de maio de 2020 at 15:44

    Foi realmente constrangedor o que o Bolsanaro impôs ao ministro Teich. Em plena coletiva é surpreendido com uma notícia de inclusão de outras categorias como sendo essenciais. Esse presidente trata os seus auxiliares com desprezo!

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: