25 de outubro de 2020
  • 16:51 Janio de Freitas: É humilhante que o país continue suportando a vergonheira nos seus Poderes
  • 15:08 Vídeo – Lula escracha a Globo: “Gastaram 5 anos falando mal, e apenas 36 segundos para assumirem que era tudo armação”
  • 12:04 Secom veiculou até onze vezes mais anúncios em canais investigados por fake news
  • 10:42 Impasse sobre CoronaVac pode atrasar vacinação no Brasil
  • 19:12 Carlos Fernando Boquinha, uma ave de rapina tucana com asas de ganso

Com um governo que, como um peru de natal, morreu de véspera, o singular contraste de Bolsonaro diante de inúmeras tragédias, tem método.

São 21 meses, faltando somente três para completar dois anos de governo, Bolsonaro não tem um cisco ou rabisco que possa ser apresentado à sociedade como resultado positivo de seu governo.

Isso é inédito!

Enquanto o brasileiro amarga um desemprego recorde, a volta da inflação, sobretudo dos alimentos, a queda e a perda do poder de compra do salário mínimo com a desvalorização da moeda brasileira, a maior desvalorização do mundo, por sinal, Bolsonaro não sabe o que falar, já que é nítido que ele não tem a mais tenra ideia do que é governar esse país.

Não há rigorosamente nenhuma novidade nisso. Foram três décadas de inutilidade como deputado, possivelmente o mais ilustre sanguessuga do Estado por não ter um mero projeto, nada, neca, zero.

Quem votou em Bolsonaro sabia disso e, sabendo, apostou em milagre. Um sujeito que se aposentou com 33 anos de idade, agora, chama professores de vagabundos. Um camarada que montou o maior cartel familiar dentro do Estado brasileiro, arrotando moral e ética, eleito pela trama de um juiz tão imoral e aético quanto ele. Isso não poderia ter outro resultado, senão o fracasso.

A coisa anda tão feia que até o bibelô da mídia, Paulo Guedes, perdeu espaço no mundo da imprensa de banco. Não há nada, rigorosamente nada que salve desse governo moral e economicamente falido, restando ao presidente ser o deputado Bolsonaro, inútil, mas polêmico. Polêmico por ser inútil e, assim, ele aumentará o tom de sua exaltação ao caos, dizendo que o Brasil foi o país que melhor se comportou diante da pandemia.

E por que Bolsonaro fala isso? Porque sabe que está provocando uma reação e, ao provocá-la, produz uma cortina de fumaça para passar de boiada o fracasso.

O brasileiro viu naquela esbórnia que eles chamam de reunião ministerial quais de fato são as preocupações do presidente da República com o Brasil, nenhuma. Bolsonaro governa, como ficou escancarado, para sua família controlando as instituições para ganhar tempo e fazer com que tanto os seus crimes quanto os dos seus filhos prescrevam. O país? Que se exploda!

Qual o remédio Bolsonaro escolheu para lidar com isso? Transformar-se no grande tenor da ópera do absurdo, do nonsense total, da picardia calculada, das declarações bestiais.

E quem imaginou que Bolsonaro se comportaria de uma forma menos animalesca, esqueceu-se de que ele não pode sair da trincheira, porque é na guerra que ele alimenta suas polêmicas e esconde o seu fracasso.

Claro que isso não está dando certo. A população já está de saco cheio de Bolsonaro, até os que votaram nele, mas não fazem parte de sua seita. E a tendência é a economia brasileira fracassar ainda mais e aprofundar a desigualdade.

Por isso Bolsonaro, inutilmente, tentará cada vez mais soltar rojões diários na base do absurdo para camuflar o naufrágio de sua canoa ainda no cais.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: