28 de outubro de 2020
  • 22:12 José Dirceu: A tempestade que se avizinha
  • 19:39 Vídeo – Carlos Henrique Machado: Parabéns ao grande Lula!
  • 18:47 New York Times? Trump e Bolsonaro destruíram as defesas da América Latina contra o coronavírus
  • 16:12 STJ retira de pauta recurso de Lula contra condenação no caso triplex
  • 14:41 Vídeos: O dia em que a ratoeira fez a festa abraçando dois ratos

Se Bolsonaro tem hoje apoio da parcela mais pobre da população, justo a que ele devolveu ao mapa da fome, qual o sentido dessa camada dizer que aprova o seu governo se o desemprego também é recorde, se o preço da sexta básica também disparou e se são justo os pobres a grande maioria das vítimas fatais do negacionismo criminoso de Bolsonaro na pandemia?

Quando se olha esse quadro dramático e o resultado da última pesquisa Ibope, não se vê incoerência, ao contrário, o resultado é extremamente coerente. Primeiro, porque o auxílio emergencial de R$ 600, em muitos casos, de R$ 1.200, não só alimentou uma população faminta, como também serviu de colchão para que a economia não desabasse ainda mais e que o tombo do PIB fosse de 10%, que, sem dúvida, é enorme, mas seria muito maior não fosse a circulação desse dinheiro.

Não foi Bolsonaro que criou o auxílio emergencial de R$ 600, sua proposta era de pagar R$ 200, mas o Congresso puxou o valor para o triplo. Mas a imensa maior parte da população não sabe ou não está interessada em saber, pelo tipo de vida miserável que leva e pela luta incessante pela sobrevivência diária.

Num país com o nível de desigualdade que tem promovido pela voracidade e mesquinhez da elite brasileira, toda a análise precisa partir daí, das condições de opressão construídas milimetricamente pela classe dominante para subjugar o povo.

A consequência não poderia ser outra. Possivelmente, quando as próximas parcelas do auxílio chegarem pela metade, Bolsonaro terá uma queda na sua aprovação, porque a economia brasileira não dá o menor sinal de vida e os investimentos internacionais, por sua política predatória, desabaram 85%.

Isso, para qualquer economia do mundo, é um desastre. No caso do Brasil é uma hecatombe ao quadrado. Sem falar que nunca foi tão desvantajosa para o país a relação comercial com os EUA.

Junta-se a isso o fato de que, com Bolsonaro, o real foi a moeda que mais se desvalorizou frente ao dólar no mundo. A exportação de alimentos provocou uma alta assustadora nos preços no que é mais caro e, agora, raro à mesa do brasileiro.

Por último e não menos importante, a realidade entre um governo que quer impor o Estado mínimo para agradar o mercado e, por outro lado, só ficará de pé se tiver um programa que apresente de fato uma solução para milhões de brasileiros do nível do auxílio emergencial, o que certamente fará o mercado berrar e tirar a mão da cabeça de Bolsonaro.

Seja como for, a pesquisa Ibope também mostra que Bolsonaro perdeu muito de sua base eleitoral, a classe média. Muito desse derretimento já vinha sendo observado e, ao que tudo indica, é uma perda sem volta, ao contrário do apoio que ele tem dos pobres, muito mais pelo auxílio emergencial, do que pelo resultado de outras políticas de seu governo.

O Ibope disse muito sobre o momento atual, e nada sobre o futuro próximo do governo Bolsonaro.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: