22 de outubro de 2020
  • 10:18 Editorial da Folha: É preciso conter Bolsonaro
  • 08:41 Quem saiu mais humilhado da história da vacina chinesa, Pazuello ou Bolsonaro?
  • 23:59 Depois de humilhar publicamente Pazuello, Bolsonaro diz que ele não sairá do governo
  • 18:52 Desde o fim de semana, Bolsonaro sabia da compra da vacina chinesa, mas cedeu à pressão de apoiadores
  • 17:33 Vídeo: Bolsonaro humilha Forças Armadas na guerra contra a vacina chinesa

O Véio da Havan é mesmo um portento. Com tantos processos nas costas, revelados pela revista Piauí, das mais variadas formas de picaretagem, um sujeito como esse estar solto, é algo a ser estudado, não sobre suas manobras, mas sobre um judiciário que permite tais manobras.

O patriota Véio da Havan, que se papagaia todo de verde e amarelo, é um sonegador compulsivo, segundo matéria da Piauí e, como tal, fez fortuna com seus rombos no erário, coisa comum no mundo empresarial em tempos bolsonaristas.

Hipócritas, farsantes, charlatães e outros tipos de olavismo, marcam uma época em que a decência decorativa, somada a outras formas de hipocrisia religiosa e patriótica, transformou-se estratégia de marca, a começar pelo próprio Bolsonaro que não é liberal, nem cristão, nem patriota, nada que ele loroteia para os que fingem acreditar no que o louco diz. Bolsonaro é aquilo que interessa de imediato ao seu clã e à horda de seguidores que ainda tem sabe disso e, como são iguais ao seu senhor, a louvação é inevitável.

O Véio da Havan, o picareta, esconde-se por trás de uma figura exótica, assumindo o papel de palhaço para esconder seu verdadeiro comportamento, frio e calculista que nada tem a ver com essa figura esdrúxula que mistura sua forma de se apresentar publicamente como uma mistura de Malafaia com Ratinho numa simbiose de autoajuda .

Por isso, é bom dar uma espiadela em algumas revelações que a revista Piauí fez sobre a trajetória do ensaboado picareta Véio da Havan, possivelmente o vigarista mais liso entre todos os malandros agulha do país.

Aqui uma das muitas picaretagens de Luciano Hang:

O Ministério Público descreveu didaticamente o modus operandi do desvio: “O denunciado Luciano determinava que fossem feitas duas folhas de pagamento aos empregados […] Numa folha, constava a remuneração fictícia (em média, 250 reais) e, noutra folha, constava o valor realmente pago (600 reais, em média).” Com esse estratagema, Hang descontava os 9% da contribuição dos funcionários ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) sobre o salário menor (250), que aparecia na folha salarial oficial. Pagava ao INSS cerca de 23 reais por funcionário, quando, se fizesse o correto, descontando a contribuição sobre o salário verdadeiro, empenharia 54 reais. Quando se aposentava, o funcionário recebia menos do que deveria do INSS. Num único drible na lei, Hang prejudicava seus funcionários e sangrava os cofres públicos. Em dezembro de 2000, dois meses depois de apresentada a denúncia, Hang firmou um acordo com a Receita Federal para parcelar o débito trabalhista, de forma a tentar escapar de uma condenação criminal. Não deu certo. Em 2002, foi condenado pela Justiça Federal em Blumenau a três anos e onze meses de prisão (pena convertida em serviço comunitário) e multa de cerca de 500 mil reais.

 

*Da redação

 

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Pingback: A impressionante folha corrida do Véio da Havan – Antropofagista | THE DARK SIDE OF THE MOON...
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: