24 de julho de 2021
  • 20:52 Vídeo: Vereador Renato Freitas é preso em Curitiba por protestar contra Bolsonaro
  • 18:46 Queiroz expõe imagem treinando tiro em clube e ridiculariza a Lava Jato
  • 16:43 Memórias de um país bananeiro
  • 14:32 Como será o Brasil do Bolso-centrão?
  • 13:53 Fabricante da Covaxin diz que documentos da Precisa para Saúde foram fraudados

Economista explica que apoia o candidato do Psol pela liderança em movimento social, por formação acadêmica consistente e caráter político “agregador”.

Economista, ex-banqueiro de investimentos e formado em Engenharia de Produção pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Eduardo Moreira se tornou uma voz conhecida pela “acidez” contra os princípios do neoliberalismo e do Estado mínimo. O que o fez mudar de posição, em relação à sua visão da economia, foi o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). “O que abriu a minha cabeça foi o MST. As vivências que tive morando em acampamentos e assentamentos do MST me mostraram um mundo que eu não conhecia”, explica.

Moreira defende a candidatura de Guilherme Boulos (Psol) à prefeitura de São Paulo por um “entusiasmo anterior” às eleições municipais de 2020. ”Ele reúne características raras de serem vistas juntas. Tem conhecimento profundo da organização dos movimentos sociais”, diz Eduardo Moreira, em entrevista à RBA. “É muito mais difícil no Brasil você conseguir fazer um movimento social, com tudo contra os movimentos sociais, do que montar uma startup na Faria Lima.”

Signatário de documento em que empresários e executivos do setor produtivo e financeiro declaram apoio a Boulos, Moreira avalia que “a cobertura da mídia (em relação ao candidato do Psol) foi absolutamente assimétrica e, na minha opinião, vergonhosa”.

Sobre o governo de Jair Bolsonaro, eleito em 2018 com apoio direto ou indireto dos grandes jornais e emissoras de TV, avalia que “a mídia tenta separar algo que é inseparável: tenta criar um mundo em que é a favor do que Guedes defende, mas é contra o que Bolsonaro defende. Não existe isso, é tudo um projeto de poder só”.

Leia a entrevista de Eduardo Moreira:

Por que apoia Guilherme Boulos?

O meu entusiasmo é anterior, até, a essa eleição. Acho que Boulos reúne características raras de serem vistas juntas. Tem conhecimento profundo da organização dos movimentos sociais, o que é um aprendizado muito grande, que reúne uma parte prática de fazer com que as coisas saiam do papel. Quem no Brasil trabalha em coordenação de movimentos sociais é um empreendedor, muito mais do que um monte de gente que se acha empreendedor de startup. É muito mais difícil no Brasil você conseguir fazer um movimento social, com tudo contra os movimentos sociais, do que montar uma startup na Faria Lima. O Boulos é um empreendedor de sucesso como poucos no Brasil.

Afinal, estamos na era do empreendedorismo…

E, além disso, ele tem um background acadêmico muito forte, em psicologia, filosofia, psiquiatria, e tem a proximidade a áreas de São Paulo que precisam de mais cuidado. Ele mora na periferia. É muito difícil você encontrar tudo isso. E agora mostrou uma outra qualidade que nunca tinha sido testada: é um aglutinador. Conseguiu fazer, talvez, para surpresa de muita gente, o que todo mundo estava esperando de Lula, Ciro. Mas essa capacidade de aglutinar veio do Boulos, que as pessoas achavam que era o mais radical de todos. Então, mostrou uma habilidade política louvável e rara, aqui no Brasil, principalmente no campo progressista.

Como tem visto o papel da mídia na abordagem da eleição na capital?

Existe descaradamente na grande mídia uma tentativa de eleger o Bruno Covas. Isso vai desde o editorial do Estadão – e ali pelo menos existe uma honestidade intelectual de assumir uma posição –, até, por exemplo, na Folha de S.Paulo, onde o Boulos saiu no primeiro turno de 4% das intenções de voto, foi até 16%, e nunca apareceu em manchete como tendo subido. Era o seguinte: “Covas subiu, Boulos marcou”; “Covas subiu, Boulos atinge”. Ele multiplicou por quatro vezes as intenções de voto sem nunca ter subido. Nunca apareceu na manchete. Quando empatou no segundo lugar, não aparecia na manchete também.

Nos últimos dias não, mas até agora era para o Covas mostrar propostas, mostrar o que fez, e para o Boulos se explicar de ataques. A cobertura da mídia foi absolutamente assimétrica e, na minha opinião, vergonhosa.

A mídia apoiou Bolsonaro em 2018, e continua apoiando hoje, pela agenda de Paulo Guedes. Mostram indignação com as posturas absurdas de Bolsonaro, mas a agenda econômica do governo é o que a mídia quer. É isso?

Cem por cento. E a mídia tenta separar algo que é inseparável. Tenta criar um mundo a favor do que Guedes defende, mas é contra o que Bolsonaro defende. Não existe isso, é tudo um projeto de poder só. Bolsonaro faz ficar mais visível o que esse projeto de poder encerra.

Se não tiver Bolsonaro, mas, por exemplo, o Centrão com Guedes, como é o projeto de Moro, de Doria, todos os projetos que envolvem o Centrão, mesmo que a pessoa tenha um discurso contrário, você vai ter uma sociedade cada vez mais desigual, com cada vez menos Estado.

E, inevitavelmente, com menos Estado você vai ter mais racismo, vai ter mais agressão, mais violência policial. Não existe, imaginar que você vai ter um país extremamente desigual sem racismo, com as pessoas sendo bem tratadas pela polícia. Não existe em nenhum lugar do mundo.

Alguns economistas capitalistas da atualidade já entenderam que, em vez de Estado mínimo, o capitalismo precisa na verdade de um Estado forte, como têm Alemanha, França, Inglaterra?

E antes da pandemia, esses países, Alemanha, França, Inglaterra e até os Estados Unidos viviam ondas enormes de reestatização do que foi privatizado e não deu certo. A gente está falando de quase mil casos de reestatização nos últimos 15 anos no mundo desenvolvido. “Ah, mas o Boulos vai reestatizar”… Não é o Boulos, a Alemanha está fazendo isso, a França, a Inglaterra. O que ninguém está fazendo é privatizar agora. Isso é uma agenda só do Brasil, que está querendo mirar em ser terceiro, quarto, quinto mundo. A gente já foi sexta economia do mundo, e já é a 12ª. Qual nosso objetivo? Ser a vigésima? A quinquagésima?

Mas Bolsonaro, como Trump, segundo análises, não têm vida longa, politicamente, porque não têm projeto, na verdade.

Sim, mas os personagens. A dúvida é: o que vem depois de Trump e Bolsonaro? É o Centrão? Ou é um mundo mais justo, mais progressista? Essa é a dúvida, porque muitas vezes a gente tem um efeito como nas eleições municipais no Brasil. “A gente arriscou, errou, vamos agora jogar no meio do caminho, e aí a gente cai no PP, no PSD, no MDB, no PL.” O que é tão perigoso quanto um Bolsonaro.

 

*Com informações da Rede Brasil Atual

Siga-nos no Whastapp: https://chat.whatsapp.com/FDoG2xe9I48B3msJOYudM8

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: