30 de setembro de 2021
  • 17:32 Pesquisa Ipespe: Lula está 15 pontos à frente de Bolsonaro e venceria adversários no segundo turno
  • 15:50 Ciro Nogueira deu cargo com salário de R$ 13 mil à esposa de seu secretário-executivo
  • 15:14 Lula obtém sua 20ª vitória na justiça contra Moro e caso do sítio de Atibaia é enterrado
  • 13:21 Vídeo: Em Minas, Bolsonaro é vaiado, escrachado e xingado
  • 10:17 Para chaleirar Bolsonaro, Véio da Havan usou a própria mãe como cobaia do kit cloroquina

As classes dominantes, aos poucos, vão soltando o verbo contra a dupla de ataque, Paulo Guedes e Bolsonaro, que não fez um único golzinho em dois anos de governo.

Na verdade, o Dream Team do neoliberalismo paratatá jogou como dois zagueiros do time adversário, dando bico para onde o nariz apontava e o nariz estava sempre apontado para a direção oposta.

Aqueles Nostradamus da economia, convidados pela mídia para vender “o plano econômico” de Guedes como a oitava maravilha da terra, como sempre, evaporaram, sumiram, ficando somente a comentarista de economia, Juliana Rosa, da GloboNews, muxoxa, com cara de quem fecha a birosca sem vender um único torresmo e avisa que analistas ou agências que, agora, sequer têm os nomes citados, jogaram a toalha e já falam que o tempo que Bolsonaro ganhar de sobrevida no governo estará jogando o país num buraco ainda mais fundo.

Daí esse passo marcado e apertado que as classes dominantes impuseram a Bolsonaro. O pedido de impeachment de um dos sujeitos mais escroques da história desse país não está com os dias contados, mas passados, fedendo em pleno processo de putrefação.

Lógico que o mote começou com o não menos estúpido levante negacionista contra qualquer medida de prevenção da pandemia, inclusive aquelas que ajudam a economia a voltar a funcionar, como uso das máscaras, o asseio das mãos e, sobretudo a vacina.

Bolsonaro, como um louco, atirou para todos os lados. Começou negando a doença e terminou negando a vacina contra a doença que ele sempre disse não existir. Agora, está ele soterrado debaixo de toneladas de cloroquina, vendo seu oxigênio acabar de maneira irremediável, principalmente depois que começou seu verdadeiro inferno político, que foi a saída de Trump da Casa Branca.

Na verdade, Trump estava para Bolsonaro como Clinton para FHC. Bolsonaro entrava com o lombo e Trump, com o chicote.

Não foi a isso que assistimos nos oito anos de FHC com Clinton?

Ora, se um troço desse deu errado para o Brasil quando FHC quebrou o país três vezes em oito anos, por que daria certo com Bolsonaro e Trump?

Mas como a nossa classe dominante age mais por deslumbramento com os EUA do que com a própria realidade, esses jecas vivem caindo no conto da parceria neoliberal entre Brasil e EUA.

O resultado é um globalização de mão única em que tanto o governo FHC, Temer e Bolsonaro, implodem o mercado interno para beneficiar os interesses comerciais dos EUA.

A saída da Ford do Brasil escancara isso.

*Carlos Henrique Machado Freitas

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/HP8y7rcSg0Z5XQeXMYWpd8

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: