14 de maio de 2021
  • 19:06 Lewandowski concede a Pazuello o direito de ficar calado na CPI da Covid
  • 18:19 Áudios inéditos de entrevista a VEJA mostram contradições de Wajngarten
  • 16:32 Gabinete do ódio prova que fake news mata
  • 15:34 CPI da Covid já vê crimes de Bolsonaro na condução da pandemia e pode pedir seu indiciamento
  • 14:05 A CPI está provando que a vida dos brasileiros na era Bolsonaro, não vale nada

O presidente Jair Bolsonaro foi responsabilizado pela crise sanitária que vive o Brasil. Numa audiência nesta quinta-feira no Parlamento Europeu, deputados avaliaram a situação do país e apresentaram questões ao embaixador do Brasil na UE, Marcos Galvão.

A audiência ocorreu num momento em que, no Brasil, a perspectiva de uma CPI começa a deixar o Executivo preocupado. Na Europa, porém, a realidade é de que o Brasil representa uma ameaça sanitária global.

Uma das deputadas mais vocais na crítica foi a alemã Anna Cavazzini, eurodeputada pelo Partido Verde e vice-presidente da delegação do Parlamento Europeu para assuntos relacionados ao Brasil. “O que ocorre no Brasil é uma tragédia. Mas poderia ter sido evitada e baseada em decisões políticas equivocadas”, disse.

Ela cobrou respostas sobre a morte de indígenas e o fracasso nas políticas, além de questionar o que o governo vai fazer para lidar com a fome. “A covid-19 virou uma crise social, com pessoas indo para cama com fome. O que o governo vai fazer sobre isso?”, questionou.

A deputada ainda quer saber para onde vai hoje o dinheiro destinado pela UE para o Brasil. “Se Bolsonaro nega a crise e coloca medidas que impedem a ação contra a pandemia, para onde é que o dinheiro vai?”, questionou.

O eurodeputado Miguel Urban Crespo foi ainda mais duro. “Bolsonaro declarou guerra aos pobres, à ciência, à vida e à medicina”, disse. Segundo ele, a crise “tem causa política e tem um responsável”.

“Vamos dizer claramente: a necropolítica de Bolsonaro é um crime contra a humanidade contra o povo brasileiro”, disse. Para ele, é uma “autêntica vergonha” a UE continuar negociando um acordo comercial com o Mercosul.

Marcos Galvão, embaixador brasileiro, explicou a situação brasileira e foi claro em reconhecer a dimensão da crise no país. Ele citou o número de mortos diários e apontou como o mês de março foi especialmente letal. Galvão também deixou claro que o setor de saúde vive um momento crítico, que o desemprego bate recorde e alertou sobre a falta de oxigênio e insumos. Mas o embaixador insistiu que o foco precisa ser o acesso às vacinas e implorou por ajuda.

“Eu sou um servidor público de uma democracia”, disse, lembrando que apresentou “dados transparentes”. “Não vou falar de responsabilidades. Temos instituições sólidas que poderão fazer isso. O contribuinte me paga para buscar ajuda no exterior”, afirmou.

*Jamil Chade/Uol

Antropofagista Interação – Siga-nos no Watsapp: https://chat.whatsapp.com/C3vFPKeGR4JGwnGrwc6O5F

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/H61txRpTVWc7W7yyCu0frt

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. lauritadaluzsilvacardoso Posted on 15 de abril de 2021 at 12:22

    O problema atual é que os militares pensaram que iam ganhar um bando de cacarecos e um dinheirinho do Governo Americano como ganharam na ditadura. Ocorre que coca não é mais novidade para exportar e o governo Americano não tem dinheiro para distribuir . Agora não sabem o que fazer. O Sales foi lá de Pires na mão. Aguardemos.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: