25 de setembro de 2021
  • 19:10 O suposto combate à corrupção no Brasil produziu dois golpes e levou ao poder dois corruptos
  • 17:31 Estatais de Exército e Marinha são excluídas de auditoria sobre pagamentos de R$ 44 mi acima do teto
  • 14:25 Dossiê: Prevent induziu competição de médicos para ‘bombar’ kit covid
  • 13:23 A bagunça do governo: Registros de casos somem, reaparecem e expõem subnotificação de covid no país
  • 11:20 “Pãozinho milionário” é investigado pela CPI por suspeita de lavagem de dinheiro

A harmonia do coro formado entre Bolsonaro e Salles, e este com os madeireiros e todas as dúzias de grileiros incendiários da região amazônica, é cantado a partir de uma partitura escrita dentro do Palácio do Planalto, assim como foi o dia do fogo. Para tanto, basta ver o que Bolsonaro disse dentro da Hebraica, ainda na campanha eleitoral, e que foi aplaudidíssimo, diga-se de passagem, sobre os índios e os quilombolas, mais que isso, como ele trataria a ferro e fogo os povos da floresta, sem demarcar um metro de terra.

Ainda assim, sem qualquer indagação, Bolsonaro teve apoio do grande empresariado, porque precisava destruir os direitos dos trabalhadores para aumentar o lucro dos donos do grande capital brasileiro.

Agora, a Fiesp se diz decepcionada com Ricardo Salles, porque sua visão que, na verdade, é a de Bolsonaro, é uma obra prima para produzir um boicote internacional a produtos brasileiros.

Todos sabiam que Bolsonaro governaria como um chefe de milícia. Ele manda e seus ministros que operam como milicianos, obedecem.

Não foi isso que todos ouviram da boca de Pazuello, um general da ativa que sem um pingo de amor próprio soltou essa pérola?

Pois é isso, Bolsonaro opera os negócios na Amazônia a partir de uma lógica de frouxidão total a todo tipo de bandalheira e contravenção, enquanto tem dentro do Congresso um projeto para, simplesmente, dizimar as aldeias indígenas para beneficiar desde jogatinas a mineradoras, assim como madeireiros, entre outros contraventores.

Certamente, entre essa gente o que não falta é testa de ferro do clã e, com certeza, se Salles está fazendo um péssimo trabalho na Amazônia para o país e, agora, até para o grande empresariado brasileiro que vai amargar uma série  de sanções internacionais, podem ter certeza que os negócios da família gerenciados pelo boiadeiro Salles, vai muito bem, obrigado, pois do contrário, ele já teria caído.

Amanhã vai ser o dia D para Bolsonaro com a Cúpula do Clima, tendo Biden fungando um bafo quente em seu cangote, além do Papa Francisco que não vai deixar barato para Bolsonaro e, muito menos, uma representante indígena que deverá denunciar todas as atrocidades que Salles, a mando de Bolsonaro, vem comandando na região.

Para se ter uma ideia, Mourão, que é o homem oficial na Amazônia sequer foi convidado pelo Palácio do Planalto para debater a agenda da conversa fiada que Bolsonaro vai apresentar na Cúpula, mas já sabe que ninguém vai comprar seus palavrórios, o mundo já avisou de forma explícita que quer ação concreta, não promessa. O problema é que essa ação concreta vai colidir com os interesses do clã Bolsonaro na Amazônia.

E é aí que está o grande nó, porque a Amazônia é a joia da coroa que Bolsonaro ambiciona há décadas.

*Carlos Henrique Machado Freitas

Antropofagista interação – Siga-nos no Watsapp: https://chat.whatsapp.com/C3vFPKeGR4JGwnGrwc6O5F

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/H61txRpTVWc7W7yyCu0frt

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Pingback: Salles é apenas uma boiadeiro, o verdadeiro dono da boiada é Bolsonaro – BLOG GH
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: