1 de outubro de 2021
  • 21:44 Bolsonaro desiste de André Mendonça e Aras não será indicado para o STF
  • 18:58 Bolsonaro anunciou R$ 3 bilhões, mas Petrobras destinará R$ 300 milhões para custear gás aos mais pobres
  • 17:42 MPF vai investigar suposta ação de Michelle Bolsonaro na Caixa para ajudar amigos
  • 15:24 Novo escândalo com Michelle mostra que não se é casado com Bolsonaro impunemente
  • 14:10 Em nome dos interesses da burguesia, mídia caminha a passos largos para defender continuidade de Bolsonaro até 2026

Era 4 de abril de 2017, ainda na pré-campanha para as eleições de 2018. O então deputado Jair Bolsonaro fez ataques racistas contra negros durante conferência no Clube Hebraica, no Rio de Janeiro.

O atual presidente foi maciçamente apoiado na campanha dos judeus brasileiros. Ele também atirou contra indígenas, mulheres, homossexuais e refugiados e usou a deficiência física do ex-presidente Lula para chamá-lo de “homem enérgico”.

Em conferência para cerca de 300 judeus, Bolsonaro afirmou que, se eleito, pretendia acabar com todas as reservas territoriais dos povos indígenas e quilombolas (descendentes de escravos que vivem em quilombos).

«Fui para um quilombo. O afrodescendente mais leve ali pesava sete arrobas (é uma medida usada para pesar gado; cada uma equivale a 15 quilos). Eles não fazem nada, adequado para criadores. São gastos mais de R $ 1 bilhão por ano com eles ».

O atual presidente continuou seus ataques.

“Se eu chegar lá (na Presidência), não vai dar dinheiro para a ONG. Esses vagabundos vão ter que trabalhar. Pode ter certeza que se eu chegar, no que me diz respeito, todos terão arma de fogo em casa, não terá um centímetro demarcado para uma reserva indígena ou quilombola ”.

Pode parecer que as palavras, preconceitos ou ideias ligadas ao racismo impressionaram. Mas não foi assim! O pior ainda estava por vir. Os judeus que sofreram o holocausto se levantaram, aplaudiram e sorriram em seu clube tradicional em apoio ao discurso.

No governo, Bolsonaro beneficiou judeus com cobranças, compras de tecnologias e armas, com verbas publicitárias para sua mídia e uma aliança quase umbilical com Benjamin Netanyahu. Nas manifestações da direita, a bandeira com maior cobertura foi do Brasil e depois de Israel e também dos Estados Unidos.

Um evento tragicômico ocorreu com os israelenses no Brasil. Quando em 2019 a barragem de Brumadinho rompeu, deixando quase 300 mortos. O Bolsonaro contratou uma equipe israelense, formada por médicos, engenheiros, bombeiros especializados em busca e resgate e integrantes da unidade de missões submarinas da Marinha de Israel.

Eles trouxeram dispositivos que detectam sinais de telefones celulares. Especialistas em deserto não salvaram ninguém nem encontraram corpos na lama, mas a um custo monetário para o povo brasileiro.

Sob o pretexto de conservadorismo “bolsonarista”, o judeu está agora em um campo de alianças com forças ligadas à extrema direita alemã e ao nazismo.

É então que a xenofobia une o opressor e o oprimido da Segunda Guerra Mundial, vindo do sabor do ódio hoje, em tempos do genocídio palestino praticado por Israel.

A toda poderosa deputada Bia Kicis, chefe da Comissão de Justiça, a mais importante do congresso, recebeu e tratou um deputado nazista como amigo.

“Recebi hoje a deputada Beatrix von Storch, do Partido Alternativo da Alemanha, maior partido conservador daquele país. Conservadores de todo o mundo se uniram para defender os valores cristãos e a família.

Um grupo de judeus que afirmam ser partidários da democracia protestou três anos depois que a maioria deles votou no Bolsonaro.

“Bia Kicis era do AFD de extrema direita alemã, com raízes ligadas ao nazismo e notadamente xenófobas. O partido está sendo investigado pela inteligência alemã por posições não democráticas. Sob a capa do conservadorismo, o bolonarismo não se preocupa mais em esconder suas simpatias «

E esquecia que foram os judeus brasileiros que mais apoiaram a chegada da extrema direita brasileira ao poder.

«O Museu do Holocausto criou um tópico que vale a pena ler. A amiga de Bia Kicis é neta do Ministro das Finanças nazista e um dos poucos membros do gabinete do Terceiro Reich que continuou a servir após a morte de Hitler.

O Brasil já registrou 550 mil mortes de Covid-19 por incompetência na gestão de um governo do qual participam judeus, palestinos morrem de fome e sofrem genocídio em suas terras, mas esses eventos não podem ser lembrados no Clube da Hebraica.

Natural para quem aplaudia o homem que pesa os descendentes de africanos como animais.

*Carta Maior – Tulio Ribeiro é economista brasileiro com pós-graduação em história contemporânea, mestrado em história social e doutorado em ciências do desenvolvimento estratégico. Autor do livro O Caso Venezuelano (2016)

Participe da vaquinha: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/o-blog-antropofagista-precisa-de-voce

Siga-nos no facebook: https://www.facebook.com/Antropofagista-Jornalismo-109522954746371/

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/H61txRpTVWc7W7yyCu0frt

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: