14 de agosto de 2022
  • 18:32 Bolsonaro diz que rachadinha é ‘meio comum’
  • 17:38 Por interferência, delegado do caso Milton Ribeiro pede ao STF a prisão da cúpula da PF
  • 16:52 Vídeo: Em entrevista, advogado do “hacker” Delgatti, conta como foi encontro com Zambelli
  • 15:55 Em vídeo, Lula se compromete a manter Auxílio Emergencial permanente
  • 15:04 As eleições começam no dia 16 com Lula na TV falando com o povo

Gráfico mostra que declarações polêmicas de ministro da Economia antecederam alta do dólar; variação beneficiou offshore,

Desde o início do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em janeiro de 2019, o ministro da Economia, Paulo Guedes, ganhou, no mínimo, R$ 14 milhões apenas com a variação cambial em sua empresa offshore aberta em um paraíso fiscal, revelada pelo Pandora Papers.

Um levantamento do cientista de dados e jornalista Marcelo Soares, da Lagom Data, mostra que declarações do ministro coincidiram com a alta do dólar, o que beneficiou seu patrimônio no exterior. As falas não guardam relação direta com a variação cambial, mas apontam um possível conflito de interesse.

“As frases na linha do tempo apenas coletam declarações em que ele menciona o nível de câmbio, não implicando relação direta com os aumentos”, pondera Soares. O jornalista, no entanto, aponta que, “como o mercado financeiro trabalha com expectativas de futuro, declaração de autoridades econômicas costumam ser levadas em conta no cálculo dos investidores”.

O pesquisador escolheu três declarações feitas pelo ministro sobre a alta do dólar e cruzou a data das frases com as oscilações cambiais. Leia o infográfico:

gundo os documentos, Guedes criou a Dreadnoughts International Group em 2014, nas Ilhas Virgens Britânicas. Naquele ano possuía pelo menos 8 milhões de dólares investidos na companhia, registrada em seu nome e nos de sua mulher, Maria Cristina Bolívar Drumond Guedes, e filha, Paula Drumond Guedes. Esse número subiu para 9,5 milhões de dólares no ano seguinte, segundo os documentos.

O cálculo do valor que lucrou com as oscilações do câmbio desconsidera a possibilidade de o ministro ter enviado dinheiro à empresa no exterior depois do início do mandato de Bolsonaro. Caso isso não tenha ocorrido, a alta dólar garantiu ao ministro cerca de R$ 14 mil por dia desde que assumiu o cargo.

O nome de Guedes veio à tona em reportagem publicada no domingo (3), projeto do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), formado por mais de 600 repórteres de 151 veículos em 117 países e territórios.

O Pandora Papers investigou milhões de documentos de paraísos fiscais em todo o mundo. No Brasil, participaram da apuração a Agência Pública, revista Piauí e os sites do Poder360 e Metrópoles.

Normas do serviço público indicam que o ministro teria desrespeitado os procedimentos demandados de altos funcionários do governo federal –o que ele nega.

Oposição protesta

Para o líder da oposição na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), trata-se de um “escândalo gravíssimo”.

“Viola frontalmente o artigo 5º do Código de Conduta da Alta Administração Federal e, portanto, deveria levar à demissão do Ministro. Nós, da oposição, vamos propor a convocação do Ministro e do presidente do Banco Central para prestar esclarecimentos à Câmara dos Deputados e entrar com representação no Ministério Público Federal (primeira instância) por improbidade administrativa contra ambos.”

O líder da bancada do PT na Câmara, deputado Bohn Gass (PT-RS), também se manifestou. Por meio de sua conta no Twitter, disse que “não é coincidência”.

Paulo Guedes, ministro da Economia, Campos Neto, presidente do Banco Central, têm off shores em paraíso fiscal do Caribe”, postou.

E chamou atenção para o fato de empresários apoiadores de Jair Bolsonaro, Otávio Fakhoury e Marcos Bellizia, investigados por financiar a propagação de notícias falsas, também lucrarem com essas empresas abertas em outros países sem pagar impostos.

*Com informações do Brasil de Fato

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção:

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso. Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica
Agência 0197
Operação 1288
Poupança: 772850953-6
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450. 139.937-68
PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: