13 de abril de 2021
  • 18:47 Renan Calheiros é o mais cotado para a relatoria da CPI da covid
  • 16:35 Bolsonaro quer levar a balbúrdia de seu governo para dentro da CPI, mas nem pra isso tem competência
  • 15:33 Denunciado por gestão da pandemia, governo é alvo de Comissão da OEA
  • 14:26 Globo e Merval, com uma no cravo e outra na ferradura, atacam Bolsonaro e defendem Moro, o seu criador
  • 12:07 A vergonhosa censura imposta a Marcelo Lins quando citou da matéria do Le Monde contra a Lava Jato

A revista inglesa “Economist” desta semana dedica um artigo ao poder político e econômico das milícias do Rio de Janeiro.

Segundo o semanário, Jair Bolsonaro e sua família têm conexões perigosas com esses grupos criminosos.

“Como congressista, Jair Bolsonaro, o presidente populista do Brasil, defendeu as milícias, embora seja mais cuidadoso agora”, escreve a “Economist“.

‘(…) as ligações de milicianos com os Bolsonaro podem provocar problemas. Houve um clamor após o assassinato em março do ano passado de Marielle Franco (…). Em março, dois ex-policiais foram presos por seu assassinato e acusados ​​de pertencer a uma milícia na Zona Oeste do Rio. Um morava no mesmo condomínio do senhor Bolsonaro, sua filha namorou o filho (Renan) do presidente.

Outro dos filhos de Bolsonaro, Flávio empregou a esposa e a mãe de um policial fugitivo acusado de liderar a mesma milícia. Flávio e o assessor que os contratou estão sob investigação por lavagem de dinheiro envolvendo negócios imobiliários. No dia 29 de maio, o tio da primeira-dama, Michele Bolsonaro, foi preso por suspeita de ligações com uma suposta milícia de grilagem de terras perto de Brasília. Todos negam envolvimentos com crimes”, afirma a revista.

 

 

 

 

 

*Com informações da Veja

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: