4 de dezembro de 2020
  • 17:33 Ex-presidente do STF se diz perplexo com manobra da Corte a favor de Maia e Alcolumbre
  • 14:50 Vídeo: Precisamos falar do gabinete do ódio de Ciro Gomes
  • 14:15 Bonner e Renata Vasconcellos são intimados a depor pela polícia do Rio
  • 13:19 Aprovação de Bolsonaro despenca ainda mais
  • 12:04 Governo oferece ministérios em troca de apoio a Arthur Lira para derrotar Maia

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou na sexta-feira (12) que na passagem de abril para maio deste ano a produção industrial recuou em sete estados, a maior queda foi observada no Espírito Santo (-2,2%), acompanhando o recuo de 0,2% da indústria nacional no período.

A queda na produção industrial é um dos efeitos da crise econômica na qual o Brasil está afundando, desde o golpe de Estado que em 2016 tirou do governo a presidenta Dilma Rousseff. Parques industriais inteiros estão ameaçados de serem fechados.

Em São Paulo, motor industrial do país, demissões ameaçam a economia de cidades inteiras. Na região do ABC as demissões ocorrem em milhares, de uma única vez a Ford ameaça dispensar 750 trabalhadores da fábrica de São Bernardo que atuam na produção do Fiesta; a unidade tem ao todo 2,8 mil funcionários. Reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, a produção de caminhões será mantida até novembro.

O problema, no entanto, não é apenas econômico. Bolsonaro e os golpistas serviçais do imperialismo querem que o Brasil volte a idade da pedra. A queda na produção industrial prejudica a soberania e independência nacional. O desenvolvimento do país em diversos aspectos, inclusive econômico, está diretamente relacionado com a produção industrial

Garantir emprego e retomar a produção só será derrotando os golpistas e sua política pró-imperialista. Por isso é urgente ir às fábricas e mobilizar os trabalhadores pelo Fora Bolsonaro.

 

*Com informações da Causa Operária

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: