1 de dezembro de 2020
  • 11:55 Vídeo: Moro, depois de destruir o Brasil, vai gozar a vida em Washington
  • 10:39 Governo Bolsonaro, como na ditadura, tem relatório sobre 81 jornalistas e influenciadores
  • 09:15 Desembargadora que ofendeu Marielle Franco é eleita para o Órgão Especial do TJ-RJ
  • 19:16 Vídeo: Glauber Braga diz, ‘Eu não estou nada impressionado com as novas tarefas de Moro’
  • 17:49 Confirmado pelo Ministério da Justiça: acordo com procuradores dos EUA para condenar Lula foi ilegal

Ex-chanceler do governo Lula, que já abriu quatro vezes a reunião principal da Assembleia Geral das Nações Unidas, afirmou nunca ter vivenciado um isolamento tão grande do Brasil em relação à política internacional. “O Lula, que está em uma prisão em Curitiba, é mais visitado por estadistas do que o Bolsonaro”, comparou o ex-ministro. Assista

O ex-ministro e embaixador Celso Amorim, que já abriu quatro vezes a reunião principal da Assembleia Geral das Nações Unidas representando o Brasil, comentou o veto das Nações Unidas à participação brasileira na cúpula do clima em Nova York e os acontecimentos que rondam a viagem de Jair Bolsonaro para o evento. O ex-ministro afirmou nunca ter visto um isolamento deste tamanho no cenário político global como o que acontece agora contra o Brasil e comparou a diplomacia dos governos Lula e Dilma Rousseff com a de Bolsonaro.

Celso Amorim aproveitou as queimadas na Amazônia e o ressurgimento da discussão de uma possível gerência internacional da floresta para criticar a política externa brasileira. O embaixador explicou que soberania não se trata de agir por seus interesse e ignorar suas obrigações internacionais.

“Nunca vi um isolamento deste tipo. O que é muito grave é a distorção do conceito de soberania. Soberania não quer dizer vale tudo, que dentro do seu país você pode fazer o que quiser. Você pode fazer, mas tem que respeitar suas obrigações internacionais, não só em benefício da sua população, mas é um problema global, é uma responsabilidade nacional. Acho que isso que o governo Lula e Dilma entenderam”.

O ex-ministro, porém, disse não ser a favor da proposta do presidente francês, Emmanuel Macron, de partilhar o comando sobre a floresta amazônica. Ele fez ainda comparações entre a popularidade e a qualidade da política externa dos governos do PT com a de Bolsonaro. Celso Amorim lembrou que Lula era procurado por personagens da política internacional que queriam aliar sua imagem ao do ex-presidente brasileiro.

“Da mesma maneira que eu brincava e dizia no tempo do presidente Lula que todo mundo queria sair na foto com ele e que a demanda de Lula era maior que a oferta de Lula, era um dos problemas a se administrar. Hoje em dia é ao contrário, ninguém quer sair na foto com o presidente do Brasil. O Lula, que está em uma prisão em Curitiba, é mais visitado por estadistas do que o Bolsonaro”.

 

*Do 247

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: