18 de setembro de 2021
  • 14:13 ‘Gabinete paralelo’ tinha ligação com Prevent Senior, diz documento
  • 12:11 Governo Bolsonaro é criticado pela ONU por esvaziar proposta contra vigilância ilegal
  • 10:15 Ana Paula do Vôlei, a bela bruxa da maçã envenenada
  • 09:12 Fachin cobra de Aras nova manifestação sobre denúncia contra Arthur Lira
  • 21:13 Técnicos do Ministério da Saúde ameaçam renúncia coletiva se Bolsonaro não recuar na vacinação de adolescentes

Vereadora do PT, alvo de uma ação violenta enquanto acompanhava familiares de Preta Ferreira e Sidney Ferreira em São Paulo, diz que o carro foi seguido desde a Câmara Municipal e que, quando ela se recusou a pôr as mãos na parede, um dos PMs chamou mais seis viaturas, que apareceram em cerca de cinco minutos (vídeo).

A vereadora Juliana Cardoso, do PT de São Paulo, relatou em uma live no Facebook como aconteceu a ação truculenta da Polícia Militar contra ela e os familiares de Preta Ferreira e Sidney Ferreira, militantes do movimento de moradia soltos pelo TJ-SP nesta quinta-feira 10.

Todos estavam dentro de um carro parado pela PM no bairro da Bela Vista, e um dos agentes apontou a arma no rosto da vereadora e ordenou que ela colocasse as mãos sobre a cabeça e na parede.

Juliana contou que os familiares de Preta e Sidney passaram a ser seguidos desde a Câmara Municipal, de onde partiram com a vereadora para acompanhar a soltura de Sidney do CDP.

“Eu fui informada depois que eles já estavam atentos a placa do carro de uma das irmãs da Preta e do Sidney e por isso que houve a abordagem, mas eles não faziam ideia que eu estava no carro junto com eles. Então, você vê que foi uma abordagem direcionada”, contou.

“Mais uma vez, uma ação truculenta, direcionada, para poder pegar os militantes que são vinculados ao movimento de moradia do centro. É inadmissível a gente ter um estado desse, que tem que ajudar as pessoas a terem segurança, parar, por mais de três horas, seis viaturas para fazer uma ação truculenta”, declarou.

Ela se recusou a pôr as mãos na parede e o policial chamou então outras viaturas. “Em cinco minutos chegaram seis viaturas no local, cada uma com quatro policiais. Ficamos tentando entender o que estava acontecendo”, relatou.

“Estamos vivendo num momento muito intenso, estamos sendo monitorados, e essa ação truculenta foi direcionada para pegar militantes do movimento de moradia”, disse Juliana. Assista:

#Aovivo Juliana Cardoso relata a abordagem e a sua detenção pela Polícia Militar.

Posted by Juliana Cardoso on Thursday, October 10, 2019

 

 

 

*Com informações do 247/Forum

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: