23 de janeiro de 2021
  • 11:07 Ministros do STF defendem responsabilização criminal de Pazuello
  • 10:26 Três vigaristas e um destino: queda e cana
  • 09:46 Indígenas denunciam Bolsonaro ao Tribunal de Haia por crimes ambientais
  • 22:32 Em setembro, Pfizer pediu agilidade ao governo na compra de vacinas e Bolsonaro ignorou
  • 19:25 Flávio Bolsonaro é flagrado em encontro com Wassef a 3 dias do julgamento das rachadinhas

A Polícia Civil do Rio de Janeiro voltou a convocar para depor, depois de mais de um ano, pessoas ligadas à vereadora Marielle Franco e ao vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro.

O objetivo dos investigadores é entender melhor como era a relação entre os dois parlamentares, que eram vizinhos de gabinete na Câmara do Rio e teriam se envolvido em uma discussão no corredor do prédio. A informação é do Estadão.

Em 29 de outubro, quando o Jornal Nacional, da TV Globo, revelou o depoimento do porteiro do condomínio Vivendas da Barra, a viúva da vereadora, Monica Benicio, voltou a ser ouvida pela polícia. Pessoas que acompanharam o depoimento relataram que houve insistência em perguntas sobre Carlos.

Um ex-assessor da vereadora, que diz ter discutido com o filho do presidente, também foi chamado a depor novamente.

A briga foi abordada em depoimentos de ex-funcionários de Marielle no início das investigações, quando o próprio Carlos foi ouvido pela polícia na condição de testemunha, mas foi deixada de lado ao longo de 2019.

Carlos não é investigado neste caso, nem foi chamado a prestar novo depoimento.

Em nota, o gabinete de Carlos disse que não tem nada a declarar sobre as apurações da Polícia Civil e que a relação do vereador com Marielle sempre foi “cordial e amigável”.

 

 

* Juliana Rodrigues/Exame

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: