22 de junho de 2021
  • 11:11 Bolsonaro, um homem apavorado
  • 10:11 Assista ao depoimento de Osmar Terra, do Gabinete Paralelo
  • 09:52 Governo comprou vacina indiana Covaxin por preço 1.000% mais alto do que o estimado pelo fabricante
  • 22:09 A reação da ABI às agressões de Bolsonaro contra repórter: “renuncia, presidente!”
  • 19:35 Derrota de Bolsonaro: Rosa Weber suspende convocação de governadores pela CPI da Covid

“Não quero ler a Folha mais. E ponto final. E nenhum ministro meu. Recomendo a todo Brasil, não compre o jornal Folha. Qualquer anúncio na Folha eu não compro aquele produto e ponto final”. (Bolsonaro)

Bolsonaro é um monstro eleitoral criado por muitas mãos, mas com uma só cabeça, o neoliberalismo.

Uma das mãos fortes que fabricaram a criatura nos laboratórios das redações, foi a Folha.

E isso não é um fato isolado.

Temer também é cria dessa mesma malta de golpistas que tem, entre outros baluartes do jornalismo nativo, o jornal dos Frias.

Na verdade, quando foi montado o meio campo do time golpista com Cunha, Aécio e Temer em nome do “combate à corrupção sistêmica” que atingia o Brasil do PT, a Folha, com o final da peleja, estampou em garrafais a vitória dos campeões da honestidade.

Moro, o ministro da justiça de Bolsonaro, para a Folha, até hoje é uma vaca sagrada. Intocável.

A santidade fez altar nos corredores e na alma do colunismo lavajatista do jornalão.

Por isso a Folha ignora Moro em seu editorial. O ex-juiz segue sendo objeto de devoção para o jornal antipetista, mas sobretudo, antilulista.

Na verdade, sobra pouco espaço para a Folha fazer sua critica a Bolsonaro, já que a política neoliberal de Paulo Guedes também merece adoração dos seus devotos nas colunas de economia do jornal.

Então, a Folha não está incomodada com o governo Bolsonaro, mas com a empresa e não com a imprensa.

Cultua e continuará a cultuar suas “qualidades simbólicas” inspiradas no fascismo miliciano.

Fora do furdunço empresarial, todo mundo na Folha continua respeitando o animal em nome dos “rituais de purificação” do “Brasil contra o petismo”.

 

*Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: