24 de novembro de 2020
  • 20:28 Pequim acusa Eduardo Bolsonaro de ameaçar a relação entre Brasil e China: “Vai arcar com as consequências”
  • 19:35 STF aciona corregedoria do MPF para esclarecer ligações da Lava Jato com os EUA
  • 17:48 Segunda turma vai contra decisão de Fux e não enviará ao plenário casos em andamento
  • 14:53 Vídeo: Covas insulta as mulheres para justificar a agressão de seu vice à esposa
  • 14:08 Vídeo: Moro usa Roberto Carlos para se promover como candidato à presidência

Bolsonaro corta 158 mil do Bolsa Família em meio à pandemia do covid-19; 61% são do Nordeste.

Ao contrário da promessa de ampliar o programa em meio à crise social gerada pela doença covid-19, o governo federal fez um corte de 158.452 bolsas.

O Nordeste voltou a ser a região mais afetada pela vingança de Bolsonaro.

Dos 158,4 mil benefícios a menos em março, 96.861 (ou 61,1% do total) foram retirados justamente da região que responde por metade dos benefícios totais do país.

Em janeiro, das famílias que ingressaram no programa, apenas 3% eram do Nordeste, o que gerou uma série de críticas.

O número de beneficiários é o menor do governo Jair Bolsonaro e o menor desde maio de 2017, quando o Bolsa Família teve o maior corte da história do programa — 543 mil bolsas foram retiradas.

Bolsonaro e o aumento da miséria

Enquanto bancos apresentaram recorde de lucros, o doutor em Economia Social e pesquisador do Bolsa Família, Cícero Péricles de Carvalho, diz estar surpreso com a folha de março e com a explicação dada pelo ministério, já que o momento exigiria uma rápida ação para aumentar a renda das famílias pobres.

“Impressiona que, num momento em que todos os países afetados pela epidemia estão ampliando suas políticas sociais como forma de enfrentar os impactos da crise nos setores mais pobres da população, o governo brasileiro reduza a cobertura no seu mais eficiente programa de combate à pobreza”.

 

*Da redação

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: