9 de março de 2021
  • 21:23 Vivaldo Barbosa: A vitória da política de Lula é irresistível – é o Mandela libertado
  • 18:24 Sobre a volta de Lula, Saul Leblon vai ao ponto: “Só faltava um candidato, agora tem”
  • 15:44 Urgente!: Fachin acaba de anular todas as condenações de Lula e o torna elegível
  • 14:56 Ciro quer provar para os bolsonaristas que é mais imbecil que Bolsonaro
  • 14:30 O diabo não é tão feio quanto se pinta; foi assim que a mídia vendeu Bolsonaro

Leandro Fortes

Basicamente, Jair Bolsonaro governa, hoje, para aquele bando de idiotas enfiados em um cercadinho, na saída do Palácio da Alvorada, e para uma manada dividida em fanáticos religiosos e viúvas da ditadura militar.

Em meio à mais grave pandemia da História, coube a governadores e prefeitos, e não apenas os de oposição, tomar as medidas necessárias para preservar a saúde da população.

Tiveram, para tal, que ignorar as bravatas de um presidente que já ultrapassou todas as barreiras da estupidez humana, a ponto de colocar o Brasil no topo do ranking mundial das repúblicas bananeiras.

Incrível perceber que Bolsonaro não esteja exausto de ser tão ridicularizado, dentro e fora do País, o que só ressalta seu estado avançado de oligofrenia. Dele e dos três filhos, um caso curioso de transmissão total de gens inúteis.

No Nordeste, por meio do Consórcio que tem permitido à região se deslocar do desastre absoluto do governo central, os governadores construíram pontes de relacionamento com o mundo civilizado, enquanto tudo o mais desmorona, em volta.

Nos demais estados, vão se fechando aeroportos, estradas e igrejas em oposição ao governo federal, perdido na própria ignorância e sem um único líder capaz de conduzir o País na hora sombria em que vivemos.

Sem a pauta econômica de reformas e privatizações, Paulo Guedes tornou-se uma figura fantasmagórica e inútil.

Sérgio Moro, simplesmente, desapareceu. Sem os factoides da Lava Jato nem as demandas marginais da família Bolsonaro para defender, tornou-se um nada.

Os outros malucos e fanáticos neofascistas, sem comando, viraram baratas espavoridas nas redes sociais.

Luiz Mandetta, ministro da Saúde que chegou a ser comemorado como único nicho de lucidez na toca de ratos do governo, vai, aos poucos, sendo enquadrado pelo chefe demente.

Foi desautorizado por ter alertado sobre o colapso do sistema de saúde e segue incapaz de se contrapor à tese de “alarmismo” defendida por Bolsonaro.

Para se safar, está cada vez mais claro, o Brasil precisa se livrar de Bolsonaro antes mesmo de vencer o coronavírus.

 

 

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. Antonio bessa Posted on 23 de março de 2020 at 10:24

    O melhor governo qu esse pais já teve e vocês são cegos totalmente ou estão alidados a velha política para continuarem usurpando da gente! Esse governo fez em um ano o que não foi feito em 50 anos!!!

    Reply
  2. Antonio bessa Posted on 23 de março de 2020 at 10:29

    Não votei nele, mas graças a Deus O Adad não ganhou, se isso tivesse acontecido estariamos sofrendo do mesmo jeito! Agora quando se acha uma pessoa que realmente e

    q
    ue quem é honesto, percebe de cara que o cara realmente trabalha!

    Só fala algumas coisas inpensadas, mas ele é o máximo”

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: