4 de julho de 2020
  • 20:50 Dilma denuncia crime de traição nacional pela Lava Jato por ter trabalhado para os EUA
  • 17:01 Pauliceia desvairada: Não é um vídeo do Porta dos Fundos, é a mulher do Dória e uma perua falando dos pobres
  • 14:57 Operação da Lava Jato contra Serra diz mais de Moro, Dallagnol e Carlos Fernando do que do acusado
  • 12:41 Queiroz e mulher fraudam documentos na Alerj e recebem R$ 376 mil em auxílio-educação
  • 11:04 Leandro Fortes: Lava Jato vai para cima do moribundo Serra com uma década de atraso

Leandro Fortes

Basicamente, Jair Bolsonaro governa, hoje, para aquele bando de idiotas enfiados em um cercadinho, na saída do Palácio da Alvorada, e para uma manada dividida em fanáticos religiosos e viúvas da ditadura militar.

Em meio à mais grave pandemia da História, coube a governadores e prefeitos, e não apenas os de oposição, tomar as medidas necessárias para preservar a saúde da população.

Tiveram, para tal, que ignorar as bravatas de um presidente que já ultrapassou todas as barreiras da estupidez humana, a ponto de colocar o Brasil no topo do ranking mundial das repúblicas bananeiras.

Incrível perceber que Bolsonaro não esteja exausto de ser tão ridicularizado, dentro e fora do País, o que só ressalta seu estado avançado de oligofrenia. Dele e dos três filhos, um caso curioso de transmissão total de gens inúteis.

No Nordeste, por meio do Consórcio que tem permitido à região se deslocar do desastre absoluto do governo central, os governadores construíram pontes de relacionamento com o mundo civilizado, enquanto tudo o mais desmorona, em volta.

Nos demais estados, vão se fechando aeroportos, estradas e igrejas em oposição ao governo federal, perdido na própria ignorância e sem um único líder capaz de conduzir o País na hora sombria em que vivemos.

Sem a pauta econômica de reformas e privatizações, Paulo Guedes tornou-se uma figura fantasmagórica e inútil.

Sérgio Moro, simplesmente, desapareceu. Sem os factoides da Lava Jato nem as demandas marginais da família Bolsonaro para defender, tornou-se um nada.

Os outros malucos e fanáticos neofascistas, sem comando, viraram baratas espavoridas nas redes sociais.

Luiz Mandetta, ministro da Saúde que chegou a ser comemorado como único nicho de lucidez na toca de ratos do governo, vai, aos poucos, sendo enquadrado pelo chefe demente.

Foi desautorizado por ter alertado sobre o colapso do sistema de saúde e segue incapaz de se contrapor à tese de “alarmismo” defendida por Bolsonaro.

Para se safar, está cada vez mais claro, o Brasil precisa se livrar de Bolsonaro antes mesmo de vencer o coronavírus.

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. Antonio bessa Posted on 23 de março de 2020 at 10:24

    O melhor governo qu esse pais já teve e vocês são cegos totalmente ou estão alidados a velha política para continuarem usurpando da gente! Esse governo fez em um ano o que não foi feito em 50 anos!!!

    Reply
  2. Antonio bessa Posted on 23 de março de 2020 at 10:29

    Não votei nele, mas graças a Deus O Adad não ganhou, se isso tivesse acontecido estariamos sofrendo do mesmo jeito! Agora quando se acha uma pessoa que realmente e

    q
    ue quem é honesto, percebe de cara que o cara realmente trabalha!

    Só fala algumas coisas inpensadas, mas ele é o máximo”

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: