3 de dezembro de 2020
  • 21:57 Tribunal de Ética da OAB-SP proíbe Moro de advogar para Alvarez & Marsal
  • 19:58 Vídeo: O ministério de Bolsonaro é o clã, o resto é boneco de ventríloquo
  • 19:08 Dois dias depois da eleição, Dória corta jantar para os pobres no Bom Prato
  • 16:38 PGE pede quebra de sigilo de Luciano Hang e empresas sobre irregularidades na campanha de Bolsonaro
  • 15:23 Empresa que elaborou a lista de monitoramento de jornalistas, tem somente um cliente, governo Bolsonaro

O ministro do STF, Dias Toffoli, fez críticas pesadas à Lava Jato em videoconferência promovida pela Universidade de Coimbra em Portugal.

Ele foi claro em atribuir propósito explicitamente político à Força- tarefa da Lava Jato de Curitiba: “destroem a política para, depois, se dizerem puros.”

Toffoli insinuou que Moro utilizou a função de juiz e a mídia que o promoveu como trampolim: “essas pessoas posam de heróis e, depois, são mordidas pelo que nós chamamos no Brasil de mosca azul, para serem candidatas, algumas até à presidência da República”.

Coube ao mediador da videoconferência mencionar o nome de Sergio Moro como exemplo mais visível da migração da magistratura para a política. Toffoli silenciou-se em concordância com a observação.

A certa altura, Toffoli enalteceu a fala de Augusto Aras (PGR) que defende a tese de que é preciso corrigir os rumos do lavajatismo.

Segundo o ministro, Aras fez acordo de colaboração premiada que já recuperaram mais valores para o Estado brasileiro do que a Lava Jato, só que não faz propaganda disso. E arremata, “por que um procurador ou um juiz tem que fazer propaganda?”. E segue, ” atua nos autos, condena. Não precisa fazer pirotecnia e estardalhaço. Não está na lei penal a humilhação e a execração como pena”.

E Toffoli continua: “nos casos em que atuo, determino que todos os agentes da Polícia Federal e do Ministério Público assinem um termo de confidencialidade e não deem entrevistas”

E foi mais longe, tratou as entrevistas coletivas à imprensa, promovidas pela Lava Jato após a deflagração de cada operação como tortura ao investigado e não como meio de manter a sociedade informada sobre as operações.

E Toffoli foi ainda mais claro: “Uma coisa é você apurar, investigar e condenar. Eu já condenei muita gente no Supremo Tribunal Federal, já fui relator de várias condenações. […] Sem humilhação, sem execração. Os exageros e os abusos ocorridos eram exatamente esses. Você faz um início de investigação e depois dá uma entrevista coletiva para execrar.”

*Da redação/Com informações do Uol

Siga-nos no Whastapp: https://chat.whatsapp.com/FDoG2xe9I48B3msJOYudM8

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. afonso Schroeder Posted on 2 de novembro de 2020 at 07:20

    Vemos diuturnamente trocadilhos dos justiceiros lamentável mas não temos justiça honesta no Brasil p/cumprir a CF/88 ex-presidente (Lula) 100% inocente e onde esta o (STF)?

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: