2 de dezembro de 2020
  • 21:14 Brasil tem explosão de casos de contaminação por Covid-19; mais de 50 mil em 24 horas
  • 18:00 Governo Bolsonaro gastou 85% do dinheiro direcionado para o combate à pandemia
  • 17:05 Carol Proner: Sergio Moro é sinônimo de traição nacional
  • 15:24 Está na hora de perguntar quem ganhou e quem perdeu com a organização criminosa Lava Jato
  • 11:55 Vídeo: Moro, depois de destruir o Brasil, vai gozar a vida em Washington

Ainda em 2018, logo após a vitória de Bolsonaro, escrevi na minha página do Facebook, que viralizou nas redes: “Bolsonaro deu dignidade aos burros, elevou a autoestima dos idiotas, valorizou a estupidez, deu voz aos imbecis e cargos aos canalhas.”

Logicamente, como não coube tudo no mesmo post, nada falei do racismo, da misoginia, da milícia, da violência, do despudor, do Queiroz, da homofobia e de toda uma gama de comportamentos torpes que se aglutinou em torno do nome de Bolsonaro.

Enquanto nesse dia de finados em que mais de 160 mil famílias choram os seus mortos no Brasil, integrantes de uma facção que tem na propagação do ódio um meio de vida, ou seja, gente que tem aversão profunda a qualquer sentimento humano, é vista em vídeo queimando máscaras, fato que ocorreu dias atrás, como quem tenta queimar suas próprias frustrações embalados por um fervor histérico voltado a uma expressão agressiva.

É nítido que essa gente que nutre ódio como fator primeiro em suas vidas, é característico de quem não conseguiu atingir um determinado objetivo na vida, mesmo que seja algo tolo. Por isso tem a necessidade de julgar, difamar as pessoas, negar ou simplesmente recusar-se admitir ou reconhecer qualquer argumento de quem eles consideram inimigo.

Hoje, essas pessoas, sem ter exatamente um inimigo de visibilidade nacional que elas classificam como comunista, contestam e agridem a si próprios para afirmar uma forma de negacionismo científico ou de qualquer traço de razão.

Não é simples lidar com esse tipo de chaga social, pois não há exatamente recurso clínico para esse comportamento ignóbil, repulsivo e asqueroso. Mas essas pessoas existem e jamais buscam a paz com essa pseudo filosofia negacionista.

Não há qualquer consideração ou consciência nessa forma de negação a não ser a vazão da própria frustração de quem, mesmo vivendo em sociedade, mantém-se como um soldado da psicologia do ódio.

A agressão, que é uma forma de desvalorização ou desprezo pelo outro, é a principal arma da indiferença coletiva contra quem lhes pareça ser o mal.

Esse vídeo abaixo mostra que a sociedade brasileira tem um grande desafio pela frente, que é lidar com esse tipo de provocação, incitação e a prática violenta que afronta qualquer senso de civilidade que essas pessoas representam.

O que parece claro é que estamos diante de um grupo em que as frustrações pessoais transformaram-se em causas coletivas de quem não soube enfrentar os desafios da vida e acabou virando uma coisa que precisa ser estudada nessa espécie de videoaula de ódio.

*Carlos Henrique Machado Freitas

Siga-nos no Whastapp: https://chat.whatsapp.com/FDoG2xe9I48B3msJOYudM8

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

2 COMMENTS

  1. afonso Schroeder Posted on 2 de novembro de 2020 at 16:30

    Este lixo de humanos de “direita” fica infectando o povo trabalhador do Brasil lamentável você são excremento em carne e osso, quando adoecer tomam “cloroquina” irresponsáveis.

    Reply
  2. afonso Schroeder Posted on 2 de novembro de 2020 at 16:40

    Direita irresponsável, podre fedorenta ficam contaminando o trabalhador Brasileiro por favor quando aoecerem toma cloroquina.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: