2 de dezembro de 2020
  • 21:14 Brasil tem explosão de casos de contaminação por Covid-19; mais de 50 mil em 24 horas
  • 18:00 Governo Bolsonaro gastou 85% do dinheiro direcionado para o combate à pandemia
  • 17:05 Carol Proner: Sergio Moro é sinônimo de traição nacional
  • 15:24 Está na hora de perguntar quem ganhou e quem perdeu com a organização criminosa Lava Jato
  • 11:55 Vídeo: Moro, depois de destruir o Brasil, vai gozar a vida em Washington

O Ministério Público do Rio aponta que a mulher e a mãe do miliciano Adriano da Nóbrega foram nomeadas assessoras por Flávio Bolsonaro. O MP indica que elas ajudaram a desviar mais de R$ 1 milhão.

Denúncia do Ministério Público contra o senador Flávio Bolsonaro afirma que o miliciano Adriano da Nóbrega, assassinado este ano na Bahia, fazia parte do esquema da “rachadinha” comandada por Fabrício Queiroz, assessor do então deputado estadual, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Segundo denúncia do MP, em 2007, quando Flávio contratou Queiroz, o então deputado também nomeou Danielle Mendonça da Costa como assessora. Danielle era mulher do ex-PM Adriano da Nóbrega, acusado de comandar um grupo de extermínio com milicianos no Rio e de ter participado no assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL).

Em 2015, a mãe de Adriano, Raimunda Veras Magalhães, também virou assessora parlamentar de Flávio Bolsonaro. Segundo o MP, Raimunda e Danielle eram funcionárias fantasmas.

 

*Com informações do 247

Siga-nos no Whastapp: https://chat.whatsapp.com/FDoG2xe9I48B3msJOYudM8

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: