25 de julho de 2021
  • 18:34 Vídeos e imagens do 24J pela queda de Bolsonaro; vai ser cada vez maior
  • 17:47 É preciso calar a negação’ música pelo impeachment de Bolsonaro é lançada por artistas
  • 16:14 Ato em São Paulo tem cartaz com ‘e-mails da Pfizer’ a Bolsonaro
  • 14:54 Partidos não querem a filiação de Bolsonaro
  • 13:51 Com baixa vacinação, variante delta dispara e prolifera no mundo

Todo o processo de desnaturação da democracia a que assistimos no golpe em Dilma e, depois, em Lula, tinha a mesma raiz, a busca pelo lucro maior e pelos privilégios das classes economicamente dominantes.

Se nós não tivermos capacidade de entender isso, a esquerda pode até recuperar o poder, mas o processo que levou o país a essa hecatombe humanitária se manterá como semente permitindo que, à frente, esse processo seja retomado junto com os interesses que cercam essa perversidade.

Se hoje há como resultado uma tragédia humanitária no modelo escolhido por Bolsonaro, com a busca criminosa pela suposta imunidade de rebanho para o enfrentamento da covid, num outro momento, com a volta desse modelo econômico, outras hecatombes recairão sobre as camadas mais pobres da população.

É bom acrescentar aqui que não há qualquer diferença no modelo econômico adotado pela ditadura militar do atual governo ainda mais militar.

Na verdade, o que se vive hoje no Brasil foi herdado daquele período em que o modelo cívico brasileiro ficou totalmente subordinado à economia neoliberal. E o resultado foi uma dívida considerada impagável com o FMI, sendo paga por Lula décadas depois. Com os governos militares vieram a recessão e a hiperinflação que produziram uma explosão de favelamento no país.

A ideia de territorialização corporativa que se expandiu enormemente nos governos militares durante a ditadura, entregou recursos nacionais para serem utilizados, sobretudo a serviço das corporações internacionais. E o resto, como tanto gosta de falar Paulo Guedes, foi utilizado para o resto da sociedade, o que mostra que o cálculo econômico de hoje busca organizar o país da mesma forma. São as corporações que no período militar utilizaram e utilizam hoje o que há de mais essencial dos recursos públicos.

Não há outro dado a acrescentar para explicar a situação trágica a que o Brasil chegou nesse período de pandemia.

Bolsonaro, para se manter no governo, mesmo enfrentando uma saraivada de denúncias de crimes cometidos por ele e seu clã, preferiu arrumar uma briga com a sociedade do que com o grande capital internacional, obtendo como resultado esse genocídio que já matou mais de meio milhão de brasileiros, respaldado no factoide de que era preciso organizar o país a partir da economia para enfrentar a pandemia, impondo ao povo uma cartilha de incontáveis mentiras para se chegar a essa catástrofe que consagrou Bolsonaro como o maior genocida do mundo na atualidade.

Mas é bom lembrar que o que nós vivemos hoje teve início na Lava Jato de Moro, que foi a grande central dos interesses do mercado, do dinheiro em estado puro, dos banqueiros e seus templos. Foi essa concepção de sociedade em que o ser humano, no Brasil, passou a ser totalmente residual, que todo um processo foi dominado para que uma democracia de mercado fosse instalada a ferro e fogo.

E o resultado foram os golpes em Dilma, a prisão de Lula e a sociedade vítima de dois dos maiores vigaristas da história do Brasil, Bolsonaro e Moro. E foi com essa parceria que o Brasil chegou a uma tragédia humanitária e hecatombe econômica que não deixam a mínima esperança de melhora, não em curto tempo.

O que preveem os economistas é que o Brasil, com Bolsonaro, mesmo depois da pandemia, baterá recordes sobre recordes de desemprego e empobrecimento do seu povo.

*Carlos Henrique Machado Freitas

Siga-nos no Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/H61txRpTVWc7W7yyCu0frt

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Magda ferreira santos Posted on 21 de junho de 2021 at 10:36

    morte aos responsáveis!! câmara de gás, forca, guilhotina ou internamento definitivo em manicomio de segurança máxima!!!

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: