11 de novembro de 2021
  • 20:37 Vídeo: Adélio vive em condições análogas à tortura, denuncia perito que o visitou no presídio federal de Campo Grande
  • 17:58 Economia brasileira vira terra de ninguém e governo Bolsonaro se dissolve instantaneamente
  • 16:59 Em cerimônia de filiação, homem joga moeda para Moro e o chama de traidor
  • 14:26 Governo fecha o cerco a quem pediu extradição de Allan dos Santos
  • 13:32 Pesquisa Quaest/Avaliação negativa de Bolsonaro bate recorde

O que chama atenção no manifesto da Fiesp e Febraban é uma suposta preocupação com os destinos da nação a partir da tragédia que vivem as camadas mais pobres da população.

Por que Bolsonaro se preocuparia com a saúde do povo se ele permaneceu dentro do Congresso durante 28 anos tratando os pobres como resto, como quem deveria ser tolhido de qualquer sopro de cidadania?

Ninguém tinha qualquer dúvida de que Bolsonaro apelaria para os golpes mais baixos na sua relação com a maior parte da população brasileira, que é pobre, para alcançar seus objetivos e segregar, num exercício diário de exclusão, a imensa maior parte.

Bolsonaro foi escolhido pela elite através do modelo econômico de Temer que teve continuidade com Paulo Guedes e, consequentemente, a crise que se iniciou com Temer se agravou durante esses três anos de regime fascista. Daí o tempo de apodrecimento dos dois é o mesmo. Temer ficou pouco mais de 2 anos e o resultado de sua gestão foi repudiado nas pesquisas de opinião.

Quando tentou colocar a cabeça pra fora e dizer que seria candidato em 2018, a própria oligarquia cortou-lhe as manguinhas. A justificativa era a de que sua relação com o povo brasileiro azedaria cada vez mais porque ele não havia sido eleito, portanto, somaria contra o projeto de buscar alguém que respaldasse os interesses da classe dominante.

Como se sabe, a situação chegou a tal ponto que o PSDB, partido que liderou o golpe em Dilma, a partir de Aécio e FHC, foi dizimado e, com a ajuda de um outro tucano, Sergio Moro, o discurso de Bolsonaro saiu consagrado nas urnas para a alegria, mesmo desconfiada, da Fiesp e da Febraban.

Por isso esse discurso sobre os chamados três poderes, que privilegia a carta magna, sendo respaldado pelos barões do PIB e do rentismo nacional não soa exatamente estranho, mas apenas contraditório, sobretudo quando fala das mazelas, que são absolutas, que essa política perversa de Guedes produziu e que produz numerosos e crescentes pobres e miseráveis.

O fato é que, mesmo as classes médias, agora atingidas pela crise do ajustamento neoliberal, também começam a despertar para a hecatombe, já que a escassez e as carências que chegam às casas dos cidadãos médios, por obra da realidade, acabam dando a cada um a consciência de sua posição nesse latifúndio.

Trocando em miúdos, o Brasil está num beco sem saída. Bolsonaro não tem pernas para continuar. Guedes, de Midas, para a classe dominante, transformou-se em dedo podre e não tem mais como se fabricar interpretações de uma crise nacional que ninguém sabe exatamente que rumo terá com essa formação que aí está, sem credibilidade política, dependendo dos discursos ornamentais de um idiota como Bolsonaro que, ainda hoje, em uma de suas lives, vendeu um Brasil que só habita na sua cabeça e na de Guedes.

Por isso, Fiesp e Febraban, em outras palavras, disseram que não aceitarão golpe de Bolsonaro porque sabem seu governo já caiu de podre.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica: Agência 0197
Operação: 013
Poupança: 56322-0
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450.139.937-68

PIX: 45013993768
Agradecemos imensamente a sua contribuição

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: