13 de outubro de 2021
  • 19:10 Levado ao poder pelos endinheirados, Bolsonaro expõe para o mundo o tamanho da ganância da elite brasileira
  • 16:35 Comitê da ONU marca julgamento de queixa de Lula contra Moro para maio de 2022
  • 15:58 Arthur Lira terceirizou para o mercado a presidência da Câmara
  • 13:46 Fator CPI tem potencial para impactar eleições de 2022
  • 11:44 Bolsonaro afunda a economia brasileira: crescimento de 2,4% entre 2020 e 2022 contra média mundial de 7,6%

Hoje, o mundo inteiro já sabe que Bolsonaro governa para quem o colocou no poder, a elite que forma o chamado mercado. Portanto, a essa mesma classe dominante, foi assegurado o papel central dos bônus que a política econômica de Bolsonaro proporcionou com exclusividade.

Do outro lado, o povo, como ônus, recebe o resíduo, a migalha, quando muito o osso e o pé de galinha.

A questão ambiental é uma das principais agendas negativas de Bolsonaro no mundo, por tratar criminosos da floresta amazônica como aliados, por proteger pistoleiros, grileiros, garimpeiros.

Bolsonaro ainda será acusado pela CPI da covid por ter provocado um morticínio por covid em tribos indígenas, o que não surpreende ninguém, já que, ainda candidato, em discurso na Hebraica, ele disse que os índios não teriam dele qualquer respeito, assim como os quilombolas, a quem ele tratou como animais em sua fala bastante aplaudida pelos presentes.

Bolsonaro também é malvisto como sabujo de Trump. Ou seja, esse mesmo sujeito teve a capacidade de revelar ao mundo toda a perversidade que move a elite brasileira para alcançar seus objetivos e ele foi um instrumento perfeito para impulsionar a ampliação de privilégios dessa elite diante de um povo que se vê cada vez mais à míngua.

Não há qualquer dúvida entre os grande líderes mundiais de que Bolsonaro, com suas ações fascistas, retrata a classe dominante brasileira e, por isso mesmo, não dá para entender a chegada dele ao poder sem entender os propósitos da elite que deu a ele a cadeira da presidência da República.

Todos sabem que não foi uma integração casual, foi um projeto de poder articulado de forma efetiva com os demais poderes para que a elite colocasse Bolsonaro como o mandatário maior do Brasil.

Todo esse projeto antissolidariedade é, na realidade, a construção de um muro que segrega a maior parte da população para que o burgo se torne cada dia mais forte e que o restante do povo é condenado a uma classificação inferior dentro do próprio país.

Não há fio de desagregação capaz de distinguir a imagem de Bolsonaro da elite brasileira, eles são uma coisa só pulsando os mesmos objetivos.

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso. Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica
Agência 0197
Operação 1288
Poupança: 772850953-6
Arlinda Celeste Alves da Silveira
CPF: 450. 139.937-68
PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Carlos Henrique Machado

Compositor, bandolinista e pesquisador da música brasileira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: