25 de junho de 2022
  • 19:33 Janio de Freitas: O Brasil real escancara-se com Milton Ribeiro e pastores e a delinquência se desnuda
  • 18:11 Pressionado pelos vazamentos, Bolsonaro ameaça golpe e passa recibo de que está até o talo no caso do MEC
  • 16:01 Marcelo Adnet bomba nas redes imitando conversa de Bolsonaro com Milton Ribeiro
  • 15:32 Bolsonaro insinua encontro com Áñez; ela nega
  • 11:13 Aliados de Bolsonaro temem novas revelações e operações da PF

Filho de Eduardo Campos e neto de Miguel Arraes, João Campos sabe da importância da declaração para isolar ala do partido que ainda resistia a apoiar Lula.

A declaração do prefeito de Recife, João Campos, enfatizando que o PSB será “o primeiro grande partido brasileiro a declarar oficialmente o apoio ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva” encerrou a novela em torno da aliança com o PT nas eleições presidenciais de outubro, informa a Forum.

Ao empunhar o microfone durante o ato de lançamento da pré-candidatura do deputado Danilo Cabral (PSB) ao governo do Estado, Campos tinha consciência que suas palavras ecoariam além das divisas de Pernambuco e isolaria de vez a ala que ainda buscava implodir a aliança, comandada pelo governador do Espírito Santo, Renato Casagrande.

Casagrande foi cortejado por Sergio Moro (Podemos) para criar um dramalhão mexicano nos próximos capítulos em torno da aliança – e, quiçá, federação – entre PT e PSB.

No entanto, Campos fez questão de acabar com o jogo de cena. Filho de Eduardo Campos e neto de Miguel Arraes, o prefeito do Recife sabe dos laços históricos que ligam à família a Lula e entende a importância de uma aliança para derrotar a ultradireita conservadora. Ainda mais partindo do Estado.

“Vamos sair do Nordeste com a ampla vitória que vai trazer dignidade de volta ao povo”, afirmou Campos.

Humberto Costa, que abriu mão da candidatura ao governo do Estado em favor da aliança nacional, lembrou desses laços históricos com a Família Campos em seu discurso no ato e ecoou o discurso de Lula sobre o apoio nacional.

“O gesto do PT ao retirar uma candidatura legítima e viável foi feito em nome dessa unidade e em nome principalmente de a gente juntar forças para, de modo definitivo, derrotarmos esse governo que infelicita o povo brasileiro, retira sua autoestima, nos envergonha internacionalmente e conseguiu a grande proeza de trazer de volta a fome que assola milhões de pessoas no Brasil, a inflação, o desemprego e o aumento da desigualdade e da miséria”, disse Costa.

Coube a Carlos Siqueira, presidente nacional do PSB, encerrar definitivamente a novela. “Estaremos juntos em todo o país em torno de Lula presidente da República. Essa união aqui não vai apenas mudar Pernambuco. Vai mudar o Brasil. É Lula, é Danilo”.

Siga-nos no Telegram

Caros Leitores, precisamos de um pouco mais de sua atenção

Nossos apoiadores estão sendo fundamentais para seguirmos nosso trabalho. Leitores, na medida de suas possibilidades, têm contribuído de forma decisiva para isso. Agradecemos aos que formam essa comunidade e convidamos todos que possam a fortalecer essa corrente progressista. Seu apoio é fundamental nesse momento crítico que o país atravessa para continuarmos nossa labuta diária para trazer informação de qualidade e independência.

Apoie o Antropofagista com qualquer valor acima de R$ 1,00

Caixa Econômica

Agência: 0197
Operação: 1288
Poupança: 772850953-6

PIX: 45013993768

Agradecemos imensamente a sua contribuição

Celeste Silveira

Produtora cultural

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: