14 de maio de 2021
  • 19:06 Lewandowski concede a Pazuello o direito de ficar calado na CPI da Covid
  • 18:19 Áudios inéditos de entrevista a VEJA mostram contradições de Wajngarten
  • 16:32 Gabinete do ódio prova que fake news mata
  • 15:34 CPI da Covid já vê crimes de Bolsonaro na condução da pandemia e pode pedir seu indiciamento
  • 14:05 A CPI está provando que a vida dos brasileiros na era Bolsonaro, não vale nada

Quem comprou o show do delinquente Moro foi só quem pagou ingresso mesmo.

No final deu o que todo mundo já sabia. Moro é um político corrupto do tipo Cunha, que usou a toga pra chegar ao topo do poder.

Como disse Saul Leblon no Twitter da Carta Maior, Moro & CIA se agarram desesperadamente como náufragos –e parte da mídia junto– na boia de Araraquara. Mas a questão é que a canoa deles virou e mostrou tudo o que tinha dentro.

Melhor ainda nos tempos digitais são os ventos da poesia sendo desancados pela realidade. Moro escreve um post em seu Twitter parabenizando a PF pelo milagre de encontrar os hackers em 24 horas, mas recebe no mesmo Twitter, de bate pronto, na lata, a resposta da jornalista do El País, Debora Diniz:

“Ministro Moro, algo na equação não fecha: seriam os <hackers> de seu telefone tão simplórios que a polícia os identificou em dias, e os covardes que nos ameaçam tão espertalhões que nunca foram descobertos?”

Vale a pena ver o que disse Leandro Demori, editor do The Intercept Brasil:

” Nunca falamos sobre a fonte. Essa acusação de que esses supostos criminosos presos agora são nossa fonte fica por sua conta. Não surpreende vindo de quem não respeita o sistema acusatório e se acha acima do bem e do mal. Em um país sério, o investigado seria você.”

O fato concreto até agora é que, Moro, na ânsia de fabricar um factóide do hacker em 24 horas, acaba admitindo que as mensagens vazadas são verdadeiras. Gênio!

Como se diz por aí, felizes são os “hackers de Araraquara” que conseguiram fazer o que ninguém foi capaz até hoje, quebrar a criptografia do Telegram e receber a bagatela de R$ 1,1 milhão do mesmo. O resto é faca sem sangue e barriga sem cicatriz da fakeada.

 

*Por Carlos Henrique Machado Freitas

 

 

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: