1 de dezembro de 2020
  • 21:14 Brasil tem explosão de casos de contaminação por Covid-19; mais de 50 mil em 24 horas
  • 18:00 Governo Bolsonaro gastou 85% do dinheiro direcionado para o combate à pandemia
  • 17:05 Carol Proner: Sergio Moro é sinônimo de traição nacional
  • 15:24 Está na hora de perguntar quem ganhou e quem perdeu com a organização criminosa Lava Jato
  • 11:55 Vídeo: Moro, depois de destruir o Brasil, vai gozar a vida em Washington

O cientista político Emir Sader escreve sobre a retumbante vitória de Alberto Fernandez e Cristina Kirchner contra Macri nas prévias da eleição presidencial argentina – 47% a 32%. Foi uma vitória histórica, “apesar da brutal campanha de mentiras contra a Cristina, com o Judiciário funcionando como agente contra ela” e pode marcar o início da virada progressista na América Latina.

A Argentina protagonizou a primeira tentativa de restauração do neoliberalismo, depois de governos antineoliberais. Uma experiência que se aproxima do fracasso e do fim com o resultado das eleições prévias.

O resultado dá uma vantagem muito cômoda para Alberto Fernandez e Cristina Kirchner, assim como para Axel Kicillof para governar a província de Buenos Aires. Quinze pontos é uma vantagem imensa. Uma diferença dessa ordem é quase impossível de ser superada no primeiro turno, em outubro, levando provavelmente a uma vitória da oposição no primeiro turno.

O resultado deu uma vantagem significativa para Alberto Fernandez e Cristina Kirchner sobre o atual presidente Mauricio Macri, que permite prever uma vitória segura no segundo turno em outubro. Essas prévias foram promovidas por Nestor Kirchner, para dirimir disputas internas nas chapas, mas desta vez não há nenhuma disputa interna, ficando a consulta como prévia das eleições de outubro. A votação é obrigatória, mas sempre votam menos do que em outubro.

O governo tratou de criar um clima de otimismo, com o movimento do mercado e o preço do dólar favorável, mostrando que o mercado votaria por Macri, e tentava mostrar um clima positivo e de eventual resultado favorável ao governo. Pesquisas fajutas na véspera também tentaram forjar favoritismo do governo. Mas a grande maioria das pesquisas dava vitória da oposição tanto a nível nacional, como da província de Buenos Aires, hoje também governada pela direita, o segundo cargo político mais importante da Argentina.

Os resultados desastrosos no plano econômico e social foram construindo uma maioria de rejeição do Macri praticamente em todo o pais. Depois do pacote demagógico do Macri, com congelamento de preços e outras medidas opostas à sua política econômica, justamente de que ele acusava o governo da Cristina, com prazo marcado até as eleições, se deu certa estabilidade econômica. Mas as consequências sociais, com o aumento do desemprego, continuaram, fortalecendo a oposição.

A opção da Cristina de se candidatar a vice, mais por questões pessoais do que políticas – sua filha está muito enferma, em tratamento em Cuba, entre outras razões -, não alterou as pesquisas, confirmando seu favoritismo.

A opção de ter um peronista conservador como vice, tampouco aumentou a preferência por Macri. As visitas de Bolsonaro tampouco ajudaram ao Macri. A imagem dele na Argentina é ainda mais negativa do que no Brasil. Ainda mais que se atreveu, nas duas viagens, a criticar a Cristina, a líder popular de maior prestígio por lá.

A provável derrota do Macri não apenas dá um mau presságio para o Bolsonaro, que começava a iludir-se com a possibilidade de reeleição, como também mostra como o retorno do modelo neoliberal conduz inevitavelmente à impopularidade do governo e à sua derrota. Além de que condenará o Bolsonaro a um isolamento político ainda maior.

O projeto de restauração neoliberal na região começou pela Argentina e pelo Brasil, países eixos dos governos antineoliberais e dos processos de integração latino-americana. Foi a partir da reversão política nesses dois países que a direita latino-americana se recuperou e voltou a impor economias recessivas, com altos níveis de desemprego e desmonte dos patrimônios públicos, com retomada de políticas de privatização.

Macri despencou rapidamente na sua popularidade, a economia argentina está há dezenas de meses em recessão, o dólar disparou, assim como a taxa de juros. Como resultado, foi se desenhando a vitória da oposição, apesar da brutal campanha de mentiras contra a Cristina, com o Judiciário funcionando como agente contra ela.

Um novo governo antineoliberal não representará simplesmente a retomada do governo antineoliberal da Cristina, de crescimento econômico com distribuição de renda. Porque foram grandes os estragos provocados pelo governo neoliberal na Argentina, incluída uma imensa dívida com o FMI.

Terá sido o primeiro fracasso da restauração neoliberal, que se deu em seguida no Brasil e no Equador. O clima favorece também as eleições, bastante disputadas, no Uruguai e na Bolívia. E estende sobre o Brasil o manto previsível de voo curto do governo Bolsonaro.

 

*Por Emir Sader – 247

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES

1 COMMENTS

  1. Raí Posted on 27 de setembro de 2019 at 01:23

    Viva a esquerda! A esperança tem que continuar.

    Reply
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: