15 de maio de 2021
  • 16:23 Como a cultura institucional contribuiu com o golpe e a tragédia provocada por Bolsonaro
  • 14:01 Pazuello pretende responder a todas as perguntas, diz advogado
  • 11:58 O silêncio do general
  • 10:44 Contra o horror, prossegue o levante palestino
  • 09:42 Ministro da Defesa, Braga Netto, está na mira da CPI da Covid

Hoje, em mais um ato verborrágico, Bolsonaro adaptou um discurso anticomunista sem que a China, o maior país comunista do mundo fosse alvo de seus ataques.

É certo que o seu eleitorado tem vocação para trouxa, bate palmas para nepotismo, laranjas, Queiroz e o mar de corrupção que envolve o clã Bolsonaro. Mas, neste caso, como é comum na classe média muambeira, que tem “ojeriza” a comunistas, a China comunista, que dá enormes lucros aos anticomunistas da pequena burguesia nativa, fica de fora, porque ninguém é de ferro.

O falastrão retira a China do seu discurso anticomunista de araque porque, com a economia brasileira em recessão e em frangalhos, se a China tirar a mão da cabeça de Bolsonaro, o Brasil afunda de vez.

Então, a orientação é para que a besta fera não abra a boca sobre a China e não arrume encrenca com sua verborragia fecal com o maior parceiro comercial do país, pois pode custar a sua própria cabeça. E Bolsonaro, que pode ser fascista, mas não é otário, faz boca de siri para a ditadura comunista da China e ataca somente a Venezuela e Cuba, para alegria dos tontos do bolsonarismo pateta.

 

*Por Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: