15 de junho de 2021
  • 22:12 Número de cidades que confirmam manifestações no 19J salta de 74 para 180 em um dia; veja a lista
  • 20:18 A certeza da impunidade de Bolsonaro e de seus filhos escancara a fragilidade das instituições brasileiras
  • 18:48 TCU cria comissão “linha duríssima” para investigar auditor responsável por relatório que questiona mortes por Covid
  • 17:40 Contra a privatização, funcionários da Eletrobras anunciam greve de 72 horas
  • 16:24 Haia, vai decidir se investiga Bolsonaro por crimes contra índios

A edição desta quinta-feira (15) do ‘Jornal Nacional’, da TV Globo, adotou o discurso da Lava Jato em reportagem sobre a aprovação da Lei de Abuso de Autoridade, a Lei Cancellier, na Câmara dos Deputados. Logo na chamada da reportagem, o JN destacou as “críticas” sofridas pela lei, em tramitação há mais de dois anos e que busca frear o sensacionalismo midiático e a arbitrariedade nas decisões judiciais.

O principal jornalístico da emissora dos Marinho deu destaque ao fato de não ter ocorrido votação nominal no plenário e chamou a atenção para a possibilidade de judicialização do projeto aprovado, levantada pelo Partido Novo. As críticas tiveram mais espaço que o conteúdo do projeto em si e o que ele visa exatamente.

Segundo o que foi destacado pelo JN, a lei serviria apenas para limitar a ação da Polícia Federal, de juízes e órgãos de controle, quando, na realidade, se pretende evitar excessos por parte de agentes públicos que podem causar tragédias como a morte do reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, da UFSC, que se suicidou após ser vítima de uma perseguição judicial e dá nome ao projeto.

Autor do projeto original, o ex-senador Roberto Requião (MDB-PR) aprovou o nome e indagou a delegada Erika Marena, braço direito de Sergio Moro, que desencadeou a operação que resultou no suicídio do reitor da UFSC.

“A Lei Cancellier, aprovada há pouco na Câmara, proíbe a condução coercitiva sem que antes haja intimação para comparecimento ao juiz. Este item evitaria a morte do reitor Cancellier. E agora Erika Marena, quem nos devolverá o Cau?”, indagou.

 

 

*Com informações da Forum

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: