14 de abril de 2021
  • 16:49 PF afasta delegado que usou “laudo paralelo” para beneficiar procuradores
  • 15:00 Assista ao vivo: Plenário do STF decide sobre a abertura da CPI do genocida
  • 13:48 Vídeo – Kajuru: Se CPI for séria pode levar ao impeachment de Bolsonaro
  • 11:52 Globo dobra a aposta na reeleição do genocida
  • 10:04 A CPI não é do genocídio, mas do genocida Bolsonaro

Incapazes de aprender, eles embarcam em mais uma canoa furada ao apoiar o fim da previdência solidária. Se aprovada, a proposta do governo vai retirar bilhões de reais das mãos do consumidor, causando a virtual extinção do mercado interno.

Em pouco mais de um mês, pelo menos dois empresários cometeram suicídio.

No final de junho Luís Antônio Scussolino, dono de uma fábrica de moveis, em Rio Claro, interior de São Paulo, foi encontrado enforcado na sua indústria. O fato aconteceu após Scussolino ter demitido todos os empregados e encerrado as atividades de sua empresa.

A outra morte, de Sadi Gitz, empresário gaúcho, proprietário de uma indústria de cerâmica em Sergipe, foi mais dramática. Gitz disparou contra a própria cabeça, no dia quatro de julho, em um evento em que estavam presentes o governador do Estado e o ministro das Minas e Energia.

O motivo do suicídio dos dois empresários foi o mesmo: a falência de suas empresas, provocada pela violenta quedas nas vendas que atinge todo o país.

Um passeio pelas ruas das grandes e médias cidades do Brasil revela que a angústia capaz de levar dois empresários de regiões tão distantes a uma atitude tão drástica, como é tirar a própria vida, está sendo comum em todo o país. Por todos os lados, há lojas fechadas, indústrias paralisadas e aumenta o exército de desempregados e empreendedores individuais (neologismo para camelôs).

Os dados oficiais indicam um constante declínio nas vendas em todos os setores. Matéria do G1, do último dia sete, sugere que a situação dos empresários que dependem do mercado interno tende a piorar. Segundo o veículo, o Brasil enfrenta um problema em cadeia, diante da fraqueza da economia. Ainda segundo o portal, “com um desempenho modesto do consumo e o desemprego ainda alto, o varejo está sem fôlego e compra cada vez menos da indústria, que já sofre com o aumento indesejado dos estoques”.

O G1 conclui que com o comércio comprando menos, a indústria terá que eliminar os estoques excedentes antes de retomar a produção. Somente depois da venda dos estoques é que poderá voltar a produzir, o que gera um ciclo perverso: a indústria e o comercio demitem e aumentam o contingente de desempregados. E desempregado, que também é consumidor, sem dinheiro, não compra.

Os empresários acreditaram que a Lava Jato e o golpe contra Dilma iriam regenerar o país e trazer prosperidade. Depois apoiaram a reforma trabalhista, na ilusão de que ela seria uma fórmula mágica para recuperar o mercado. Finalmente, apostaram suas fichas na eleição de Bolsonaro. Na fé de que o novo presidente traria a prosperidade, se prepararam: a indústria produziu estoques para vender a partir da posse de Bolsonaro e o varejo encheu suas prateleiras esperando o prometido tempo de vacas gordas.

O resultado foi desastroso. Parece, porém, que os empresários brasileiros emburreceram, depois da proliferação dos cursos de MBA no país. Eles não aprenderam com a experiência. Não conhecem uma velha regra dos negócios e da vida: errar uma vez é humano, errar duas vezes é falta de sorte, errar três vezes é burrice.

E parece que os empresários brasileiros pretendem errar uma quarta vez, ao apoiar a extinção da previdência solidária.

Extinção da previdência solidária prejudica os empresários

Ninguém tem dúvidas de que a extinção da previdência solidária é uma crueldade contra a maioria da população e não corta privilégios, como promete. O que poucos percebem, no entanto, é que a proposta, apresentada pelo governo Bolsonaro e que está sendo votada em Brasília, caso aprovada será mais um duríssimo golpe contra o mercado interno brasileiro. Isso significa que o sacrifício de gerações de brasileiros não irá contribuir para a recuperação da economia do país, como insiste Paulo Guedes, o corretor de valores instalado na cadeira de ministro da Fazenda.

Como a reforma trabalhista, que foi empurrada garganta abaixo da maioria da população, com a garantia de que era uma medida severa, mas necessária, para recuperar a economia, a dilaceração da previdência também vai retirar bilhões de reais do mercado de consumo, o que abala ainda mais a economia do Brasil.

Serão duramente afetados, além dos trabalhadores, todos os empresários pequenos, médios e grandes que dependem do mercado interno, na indústria, comércio ou serviços. Com ainda menos dinheiro nas mãos dos consumidores, em função do desemprego, do subemprego e, agora, da dificuldade obter o benefício da aposentadoria, que para a maioria será em média de valor menor do que atualmente, a volta do cipó de aroeira vai atingir o lombo dos empresários produtivos do país.

A metáfora da volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar cabe aqui, porque a maioria dos empresários, iludidos, apoia a dilapidação da previdência, acreditando nos colunistas do falso jornalismo dos veículos antigos. Tudo bem que a maioria dos empresários não saibam que quase todos esses colunistas são financiados por bancos – os únicos beneficiados pela destruição do regime previdenciário atual. Com ou sem capitalização, os cidadãos comuns – trabalhadores e a maioria dos empresários – serão empurrados para as previdências privadas vendidas pelos bancos, para compensar a fragilização do sistema oficial de aposentadoria e proteção social.

O ambiente será semelhante ao do sistema de saúde, no qual o SUS é frequentemente sabotado, para que os brasileiros com algum recurso sejam obrigados a recorrer aos planos de saúde privados. Na medida em que aumenta a população usuária dos planos privados de saúde, o atendimento é cada vez pior (já pensam em fazer consultas online) e mais caro.
Só o sistema financeiro será beneficiado e os bancos são cruéis

Só o sistema financeiro será beneficiado e os bancos são cruéis

No caso da previdência privada, é fácil de imaginar como os usuários desse sistema serão tratados pelos bancos – principalmente se o regime geral for o de capitalização: com a mesma truculência de juros altíssimos que o sistema financeiro opera seus serviços, como cartão de crédito, cheque especial e empréstimos diversos.

A crise atual, que começou em 2008 e ainda persiste em todo o mundo, é um bom exemplo do que são os bancos. O crash econômico mundial foi provocado pelas instituições financeiras, que se aproveitaram de um ambiente no qual os controles regulatórios tinham sido removidos – os responsáveis por essa política irresponsável foram Ronald Reagan e Margaret Thatcher, na década de 1980. A bomba foi sendo armada e explodiu uma geração depois.

Usando seu imenso poder econômico e, principalmente, político, os bancos safaram-se da destruição que causaram, sacrificando alguns anéis. Além do simbólico Lehman Brothers, cerca de 380 pequenos e médios bancos quebraram nos Estados Unidos. Os verdadeiramente grandes sobreviveram e foram resgatados com a privatização de dinheiro público do contribuinte estadunidense. Para essas instituições gigantescas, a crise acabou sendo boa, pois eles se capitalizaram com dinheiro público e viram o mercado ser ampliado para eles, com a remoção dos pequenos e médios concorrentes.

Apesar da publicidade caríssima dos bancos, que tentam vender uma imagem simpática, uma pesquisa feita por um instituto europeu, nos anos 1990 e apresentada em uma aula do MBA de Gestão Estratégica de Empresas, da FACE-UFMG, em 1997, revelou que as pessoas, quando andam pelas ruas, tendem a caminhar mais rápido quando passam na porta de um banco. O significado desta pesquisa é que as pessoas tendem a rejeitar inconscientemente os bancos.

Se não há mercado as empresas quebram

Os empresários, que dependem do mercado interno, serão também duramente afetados pelas novas regras da previdência.

As pessoas terão mais dificuldade para obter seus benefícios e suas aposentadorias serão menores do que hoje. Isso significa que bilhões de reais serão retirados do mercado de consumo. Por mais que as empresas passem a ter alguns benefícios fiscais, elas serão tragadas pela virtual extinção do mercado de consumo. O que os empresários vão perder, em termos de queda nas vendas, não compensa o que poderão ganhar.

Sem consumidores, ninguém vende. Quem não vende, quebra. É uma regra simples do mercado, que estranhamente parece ter sido esquecida pelos empresários brasileiros, depois da proliferação dos cursos de MBA no Brasil.

Desta forma, a dilapidação da previdência, junto com a reforma trabalhista, vindo depois que a Lava Jato destruiu os motores da economia brasileira – as grandes construtoras e a Petrobrás – sugere uma conspiração em grande escala contra o país. Todas essas medidas contribuem para jogar a economia do país em um estágio anterior até à Primeira Guerra Mundial, quando começou uma incipiente industrialização no Brasil, estimulada pela necessidade de substituir bens que deixaram de vir da Europa e Estados Unidos, envolvidos no conflito.

O Brasil, que chegou a ser a quinta economia do mundo, desabou e deve fechar o ano fora das Top 10. O pior é que a queda deve se manter, pois além do desmantelamento dos motores da economia e da virtual extinção do mercado interno, que são resultados da ação idiota e anti-Brasil da Lava Jato, as políticas recessivas dos governos Temer e Bolsonaro (que na economia são idênticos) não deram certo em lugar algum do mundo onde foram adotadas.

Portanto, é bom que os empresários da indústria, do comércio e dos serviços, que dependem do mercado interno, abram seus olhos, pois se o país continuar no rumo que está, as notícias de suicídios de empresários desesperados serão a cada dia mais comuns.

 

*Com informações do Nocaute

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: