25 de fevereiro de 2021
  • 22:16 “Temos que proteger a Erika”, disse Dallagnol ao saber que delegada forjou depoimento
  • 19:28 A PEC da chantagem não pode passar
  • 16:19 Novo salário mínimo tem o menor poder de compra para cesta básica em 15 anos
  • 14:52 Bolsonaro encerra entrevista após pergunta sobre sigilo bancário do seu filho Flávio
  • 14:15 STJ, anulando as provas contra Flávio, deu carta branca para a milícia se expandir no país

Queiroz o personagem central de uma gigantesca trama de corrupção ligada ao clã Bolsonaro esquecido pela Globo, parece que tem mais força política do que qualquer um no governo, inclusive o presidente.

Bolsonaro move terras e mares para que ninguém chegue perto de Queiroz, porque isso significa chegar perto de seu próprio pescoço.

Como bem disse José Simão: “Bolsonaro intervém na PF para não achar Queiroz! Quem achar o Queiroz tá demitido!…interveio na Receita, na PF e na Coaf! Macaco em loja de louça!”

A indicação pra ocupar a cadeira da PGR, ficou por conta de Flávio Bolsonaro, o elo mais estreito entre o clã Bolsonaro, Queiroz e esse a milícia, os fantasmas, laranjas e sabe Deus mais o quê?

O problema é que Bolsonaro não está interessado em saber da desmoralização do seu governo está no Brasil ou exterior, sobretudo por seu descarado envolvimento com todo tipo de negociata. O que ele quer agora é livrar a cara dele e de seus filhos, que são laranjas do próprio nas parcerias sinistras com o mundo do crime.

Por isso, todos os caminhos absurdos tomados por Bolsonaro levam a Queiroz. Melhor dizendo, levam a desaparecer com o Queiroz, contando sempre com o silêncio obsequioso de Moro, seu ministro da Justiça e Segurança Pública.

 

*Por Carlos Henrique Machado Freitas

Celeste Silveira

Produtora cultural, parecerista de projetos culturais em âmbito nacional

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: