3 de dezembro de 2020
  • 21:57 Tribunal de Ética da OAB-SP proíbe Moro de advogar para Alvarez & Marsal
  • 19:58 Vídeo: O ministério de Bolsonaro é o clã, o resto é boneco de ventríloquo
  • 19:08 Dois dias depois da eleição, Dória corta jantar para os pobres no Bom Prato
  • 16:38 PGE pede quebra de sigilo de Luciano Hang e empresas sobre irregularidades na campanha de Bolsonaro
  • 15:23 Empresa que elaborou a lista de monitoramento de jornalistas, tem somente um cliente, governo Bolsonaro

Bolsonaro, em oito meses de governo, é um homem nu. Vive de pedra nas mãos farejando polêmicas para não ter que recolher as armas, pois a realidade de seu governo é asfixiante pra quem dizia que resolveria os problemas do país assim que tomasse posse, na munheca, no muque.

Pois bem, nem flexão de braço o desgraçado faz. Bolsonaro mantém sua sobrevivência num flagrante fake news cotidiano. Além de jogar o país na idade da pedra lascada, com suas fogueiras da inquisição, o sujeito, como presidente, é uma lombriga que está provocando anemia profunda na economia brasileira.

Na verdade, Bolsonaro é de fato um mito, porque seus adoradores o defendem com unhas e dentes, mas quando cobrados sobre os feitos do governo, respondem cautelosos e fogem do assunto.

Esses são os filhos do Brasil de Bolsonaro que denunciam uma especial ignorância em rede. Viraram animais domésticos dos mais rudimentares com um tipo de doença própria, ainda desconhecida pela ciência universal.

Se Bolsonaro é o parasita que caracteriza o seu próprio governo, seus súditos batizados na estética da ignorância, na vulgaridade, formam juntos o fundo do poço civilizatório de uma parte podre do país, porque não há vazio maior do que esse conjunto magistral de nada produzido pelo governo Bolsonaro.

O resultado disso é ter que ver a Folha comemorar como um troféu o recorde de bicos promovidos pelo desastre da política econômica do seu governo.

Os camelódromos que se multiplicam pelo país, fixos ou ambulantes, são os horizontes que Bolsonaro tem a oferecer para o povo. Por isso ninguém o vê falando de economia, de saúde, de educação, de ciência, de desenvolvimento, ou seja, de nada que se refira a ideia de nação. O que Bolsonaro faz todos os dias é mistificar para aprofundar a filosofia da ignorância, rebatendo críticas como quem precisa delas, assim como do oxigênio para sobreviver, construindo inimigos misteriosos ou ex-aliados para arrancar deles alguma polêmica artificial, como vem fazendo com Dória para que ninguém se lembre de cobrar resultados de um governo sem brilho, sem projeto, sem rumo.

O Brasil, com Bolsonaro, está totalmente bichado e à deriva.

 

*Por Carlos Henrique Machado Freitas

 

 

Celeste Silveira

RELATED ARTICLES
LEAVE A COMMENT

Comente

%d blogueiros gostam disto: